Visita Encydia-Wikilingue.com

Arte do século XX

arte do século xx - Wikilingue - Encydia

Female head por Picasso em Halmstad Sweden.

A Arte do século XX começa a inícios deste período, destacando-se a vanguardia artística, que avança para a ciência, a tecnologia e outros ramos como a literatura.

Conteúdo

Contexto Histórico

Mapa de imagem inválida gerada por EasyTimeline


A arte do Século XX vê-se fortemente influenciado pela situação mundial política e social do momento. É uma arte que não escapa à realidade, senão todo o contrário, brota dela, como uma forma de catarsis. Depois da Ilustração, que tinha criado um sentimento de confiança no ser humano, a razão e a ciência, estes valores entraram em crise. As duas guerras mundiais marcam um clima tenso e instável, cheio de horror e destruição. A crise européia e a crise da carteira estadounidense em 1930 impactan na sociedade criando movimentos artísticos de protesto. É uma época de profundos e acelerados mudanças, onde o progresso científico e tecnológico deixa avanços impensados como o automóvel, o avião, a televisão, a chegada do homem à lua, etc. Tudo isto provoca um grande impacto na sociedade e surgem movimentos artísticos como o futurismo. O crescimento industrial e a vida nas cidades também deixaram sua impressão na arte, por exemplo na arte pop. Podem-se distinguir dois grandes movimentos no século XX: As vanguardias e depois a arte postmoderno.

Conceito de vanguardia

Artigo principal: Vanguardismo

Tomando literalmente, o termo implica antes de mais nada a ideia de luta, de combate, de pequeno grupo destacado do corpo maioritário, que avança, que se situa por diante. Efectivamente, a vanguardia artística manifestou-se como uma acção de grupo, um grupo reduzido, uma elite que se enfrentava, inclusive com violência, a umas situações mais ou menos estabelecidas e aceitadas pela maioria. Por esta razão acostumava ser recusado socialmente, ainda que com o tempo atingiu reconhecimento e assimilaram-se suas ideias. A incomprensión inicial, a marginación inclusive, e a posterior aceitação e ampla difusão; justificariam a posteriori seu papel anticipador do futuro. Ademais, é um facto que põe de manifesto uma nova situação do artista na sociedade, uma situação enraizada na ideia romântica do artista como génio incomprendido. Desde um princípio estes seriam os aspectos mais definitorios do conceito de vanguardia. Mas, logicamente, a ideia de vanguardia comporta uma maior complexidade. Para precisá-la um pouco mais, é interessante examinar, como têm feito alguns estudiosos (Nikos Hadjinikolaou, em especial), de que modo tem evoluído o uso do termo no terreno cultural. A palavra vanguardia com relação à arte apareceu pela primeira vez no primeiro quarto do século XX, em textos dos socialistas utópicos. Não se tratava à sazón de um grupo ou de uma tendência artística em particular, senão, que a arte se apresentava em general como uma avanzadilla da sociedade, como a vanguardia dos dois sectores fundamentais, que tratavam de transformar a sociedade: a ciência e a indústria. Isto introduz outro aspecto no conceito de vanguardia: a vinculação com atitudes sociais progressistas que, em ocasiões, levou à consideração de que a vanguardia mais autêntica, era aquela que junto às inovações formais, implicava uma ânsia transformadora da sociedade. Mais adiante, sobretudo a fins do século XX, o termo vanguardia utilizou-se no vocabulario político, e pouco dantes da primeira guerra mundial, passou a ser frequente na crítica artística. Então aplicou-se já a uma tendência concreta: Cubismo, Futurismo. A vanguardia artística é uma busca de renovar, experimentar e/ou distorsionar um sistema de representação artístico. Implica inovação, ruptura de preconceptos.

Características dos movimentos de vanguardia

Algo llamativo é o caracter contradictorio das vanguardias artísticas de princípios do século XX, é que surgem como triunfo do projecto cultural moderno (que propõe uma rejeição ao passado e busca de progresso), e ao mesmo tempo são uma crítica ao mesmo projecto modernista. A vanguardia não reconhece arte sem acção transformadora.

Há um avarie com o passado e a tradição. Começa um processo de experimentación e substitui-se o produto pelo processo como fim da intenção artística.

A ruptura não se dá só no plano estético, senão também no político. Estes grupos tinham claras ideologias e muitos deles eram activos militantes políticos. Com o tempo vanguardia e política foram-se distanciando, ainda que hoje em dia podemos ver ainda alguns grupos que procuram expressar ideias ou valores mediante sua arte (por exemplo o Eco-Art).

Podemos considerar a estes movimentos como uma revolução da arte porque produziram mudanças profundos na linguagem das artes. A constante busca do novo e de ruptura com o passado deram como resultado a renovação total do conceito de arte e seus limites.

O "falhanço" das vanguardias

Seu mesmo móvel foi seu falhanço; a novidade que as caracterizava deixou do ser, para passar a ser uma parte mais do passado. Seu sucesso foi seu final, já que ao ser aceite pelo público e a sociedade de consumo, perderam-se os ideais de ruptura e crítica à sociedade.

Arte postmoderno

Artigo principal: Arte postmoderno

Artes

Música

Em linhas gerais produzem-se principalmente dois tipos de ruptura:

Abandona-se a tonalidad como estrutura organizativa do discurso, em busca de liberdade absoluta para compor. Depois procuram-se novas formas de organizar a linguagem musical (como o dodecafonismo) porque isto tinha gerado um caos.

Em todo o aspecto procuram-se novos sons, desde a experimentación e uso não convencional dos instrumentos existentes, à criação de novos instrumentos acústicos e depois electroacústicos e electrónicos, até chegar inclusive a gerar música desde consolas e aparelhos. O silêncio passa a ser música. Também se começou a fazer música com objectos e outros elementos da vida quotidiana, ruídos de fábricas, autos, etc. (Futurismo)

Artes visuais

As principais inovações foram:

Abandona-se esta prática que reinava desde o Renacimiento, bem como também a intenção de realismo ou verosimilitud dos objectos pintados.

Arquitectura

Artigo principal: Arquitectura moderna

A arquitectura moderna surge a partir das mudanças sociais e culturais produzidos pela revolução industrial. Começam-se a utilizar novos materiais nas construções e edifícios; ferro, hormigón e aço. Começa um processo de construção em altura, desde os edifícios industriais até chegar a rascacielos. Outro aspecto da arquitectura no século XX é o abandono de ornamentos em pos de uma arquitectura funcional. Alguns dos arquitectos mais conhecidos foram Lhe Corbusier e Walter Gropius (director da Bauhaus)

Fotografia

A fotografia é o processo de capturar imagens e armazená-las em um material sensível à luz. Actualmente utilizam-se câmaras digitais, pelo que as imagens são guardadas na memória da mesma. Conquanto a fotografia inventou-se no século XIX , seu auge foi no século XX já que não sempre foi considerada uma arte. O que possibilitou o devido reconhecimento da fotografia foi o grande interesse pelo naturalismo, tendência que procurava imitar a realidade com um alto grau de perfección.

Século XX e novas artes

O avanço tecnológico possibilitou o surgimiento de novas formas de expressão além de revolucionar as já existentes.

Desenho industrial

O desenho industrial (considerado como o desenvolvimento de objectos funcionais para o uso humano) existe desde que o homem criou seus primeiros utensilios. Mas o verdadeiro avanço neste campo deu-se com a Revolução industrial a fins do século XIX que originou a produção em série.

Ainda que não seja considerado uma arte, com a criação a primeira escola de desenho industrial em 1919, a Bauhaus, esta disciplina adquiriu um verdadeiro campo de conhecimento e grandes capacidades expresivas e estéticas. Esta escola teve uma função importantísima ao incentivar a interrelación das artes, o desenho e a arquitectura. No século XX contribuiu ao desenho industrial novos materiais, processos, técnicas e inclusive fontes de inspiração estéticas e vanguardistas.

O cinema

O cinema é a arte do século XX por excelencia. A criação desta nova arte foi uma espécie revolução social e criativa que possibilitou um universo de ideias novas e a sua vez a difusão em massa destas. Seu sucesso foi imediato e pouco a pouco agregou-se som aos filmes e depois cor. As capacidades expresivas da sétima arte parecem ilimitadas já que é uma fusão entre, fotografia, cenografia, vestuario, música, actuação, iluminação, literatura, etc.

Veja-se também


Bibliografía

Obtido de http://ks312095.kimsufi.com../../../../articles/a/r/t/Encydia-Wikilingue%7EArt%C3%ADculos_solicitados_2358.html"