Visita Encydia-Wikilingue.com

Existencialismo

existencialismo - Wikilingue - Encydia

Em sentido amplo, o conceito de existencialismo é confuso e escuro. Não há uma definição teórica clara e unânime. No entanto, a concepção mais compartilhada aponta para um movimento filosófico, cujo postulado fundamental é que são os seres humanos, em forma individual, os que criam o significado e a esencia de suas vidas.

A corrente, de maneira geral, destaca o facto da liberdade e a temporalidad do homem, de sua existência no mundo mais que de sua suposta esencia profunda. As questões filosóficas do existencialismo tendem a escudriñar no profundo da condição humana.

Emergiu como movimento no século XX, no marco da literatura e a filosofia, herdando alguns dos argumentos de filósofos anteriores como Schopenhauer, Kierkegaard, Nietzsche e Unamuno.

O existencialismo é uma corrente, movimento ou série de doutrinas filosóficas e culturais que tem por objectivo e disciplina, a análise e a descrição do sentido individual da vida humana assim que “existe”. Sustenta que o existente humano pensa, actua, se refere e relaciona consigo mesmo, com sua própria trascendencia, com suas contradições e suas angústias. Para o pensamento existencialista o indivíduo não é uma porção mecânica ou “parte” de um tudo, senão que o homem é em si uma “íntegridad” livre por si. Esta doutrina filosófica considera que é a existência do ser humano livre e daí é o que define seu esencia, em lugar de entender que seu esencia ou condição humana determina sua existência. Para esta corrente do pensamento a existência do ser humano não é nunca um “objecto” senão que, desde o momento que o ser humano é capaz de gerar pensamento “existe”; em consequência o reconhecimento dessa existência tem primacía e precedencia sobre a esencia. Não obstante, a existência do homem pode ser inauténtica ou falsa se este renúncia a sua liberdade. A carência de liberdade é carência de existência. Em um sentido estrito para o existencialismo as coisas materiais em mudança "são", mas não "existem".

O existencialismo implica que o indivíduo é livre e, portanto, totalmente responsável por seus actos. Isto incita no ser humano a criação de uma ética da responsabilidade individual. Segundo o filósofo e historiador da filosofia Nicola Abbagnano, «Entende-se por existencialismo toda a filosofia que se conceba e ejercite como análise da existência sempre que por "existência" se entenda o modo de ser do homem no mundo. A relação homem-mundo é, pois, o único tema de toda a filosofia existencialista (...) Os antecedentes históricos mais próximos do existencialismo são a fenomenología de Husserl e a filosofia de Kierkegaard.» Abbagnano considera pensadores fundamentais desta corrente a Heidegger , Jaspers e Sartre.[1]


Conteúdo

Origem e desenvolvimento

Filósofo dinamarquês Søren Kierkegaard cuja influência foi primordial para o desenvolvimento do existencialismo.

O existencialismo nasce como uma reacção em frente às tradições filosóficas imperantes, tais como o racionalismo ou o empirismo, que procuram descobrir uma ordem legítima de princípios metafísicos dentro da estrutura do mundo observable, em onde se possa obter o significado universal das coisas. Nos 1940s e 1950s, existencialistas franceses como Jean-Paul Sartre, Albert Camus, Simone de Beauvoir e Daniel Lira realizaram escritos académicos e/ou de ficção que popularizaron temas existenciales do tipo da liberdade, a nada, o absurdo, entre outros. Walter Kaufmann descreveu ao existencialismo como "a rejeição a pertencer a qualquer escola de pensamento, o repudiar a adecuación a qualquer corpo de crenças, e especialmente de sistemas, e uma marcada insatisfacción para a filosofia tradicional, que se marca de superficial, académica e afastada da vida".

É a filosofia da existência, o movimento filosófico e humanístico europeu, identificado pela concepção segundo a qual "a existência precede à esencia" (Jean-Paul Sartre), e que se popularizó a partir da crise e crítica social e moral, a raiz dos estragos e dramas sócio-filosóficos ocasionados pelas grandes guerras européias do século XX, especialmente, a segunda guerra mundial.

Ao existencialismo tem-se-lhe atribuído um carácter vivencial, unido aos dilemas, estragos, contradições e estupidez humana. Esta corrente filosófica discute e propõe soluções aos problemas mais propriamente inherentes à condição humana, como o absurdo de viver, a significancia e insignificancia do ser, o dilema da guerra, o eterno tema do tempo, a liberdade, já seja física ou metafísica, a relação deus-homem, o ateísmo, a natureza do homem, a vida e a morte. O existencialismo procura revelar o que rodeia ao homem, fazendo uma descrição minuciosa do médio material e abstrato no que se desenvuelve o indivíduo (existente), para que este obtenha um entendimento próprio e possa dar sentido ou encontrar uma justificativa a sua existência.

Definem-se numerosas tendências, entre elas a religiosa e a atea, aunadas por uma problemática comum ainda que a cada uma com seu próprio enfoque do entendimento da vida. A primeira outorga primacía à relação do homem com Deus enquanto a tendência atea considera ao indivíduo como único ser. Estas concepções influem-se mutuamente ao manifestar as mesmas preocupações e princípios éticos, e por experimentar as mesmas decepções quanto a todo o que de absurdo e sem sentido há na vida. Este afán pelo espírito de pesimismo, desasosiego e desespero caracteriza às tendências do movimento existencialista. O existencialismo, ou mais precisamente a filosofia existencial, interessa-se em reflexionar sobre o sentido da vida e da morte acima de questões abstratas; também tenta mostrar um caminho individualmente criativo para que o homem possa se realizar, se fazer e se valer a si mesmo, apesar das pesadumbres e desasosiegos ou de toda a circunstância.

O existencialismo e a arte

Alguns consideram que os conceitos desenvolvidos na filosofia a propósito do existencialismo, têm sido fortemente influenciados pela arte. Novelas, obras de teatro, filmes, contos e pinturas, sem que tenham sido catalogadas necessariamente como existencialistas, sugerem ser precursoras de suas postulados. Tenho aqui alguns autores e obras representativas:

A Epopeya de Gilgamesh, o texto literário mais antigo que se conhece, anónimo até agora, faz menção ao tema da morte e a busca incansable da imortalidade por parte do homem.

As tragédias de Eurípides , Sófocles e Esquilo, que afundam em aspectos vitais como a angústia, o destino e a imposibilidad de escapar dele.

Os livros sapienciales da Biblia, como o Eclesiastés, alguns Salmos e o livro de Job, que deixam ver afirmações e perguntas sobre o sentido da vida, o sofrimento e a vaidade dos actos do homem.

As tragédias de Shakespeare , como O Rei Lear, Hamlet e Macbeth; infuenciadas a sua vez pelos trágicos gregos, os livros sapiensales da Biblia e as ideias de Plutarco . O famoso monólogo de Hamlet (Cena primeira do Acto terceiro), é considerado um ícono arquetípico do homem existencialista.

Autores realistas russos como Dostoievski. Em especial, novelas como Crime e castigo, Memórias do subsuelo, Os endemoniados, Os irmãos Karamázov e O idiota. Alguns temas recorrentes nas obras de Dostoievski incluem o suicídio, o orgulho ferido, a destruição dos valores familiares, o renacimiento espiritual através do sofrimento (sendo um dos pontos capitais), a rejeição a Occidente e a afirmação da ortodoxia russa e o zarismo[2] .

Fausto, na versão de Goethe , mostra problemas típicos do homem, como a insatisfacción, os conflitos entre a moral e o desejo -bem como suas consequências-; e a busca do conhecimento infinito.

A poesia de algumas personagens do século XIX, conhecidos popularmente como poetas malditos: Edgar Allan Poe, Charles Baudelaire, Arthur Rimbaud, Paul Verlaine, Tristan Corbière, Stéphane Mallarmé, Marceline Desbordes-Valmore, Auguste Villiers de L'Isle-Adam, François Villon, Thomas Chatterton, Aloysius Bertrand, Gérard de Nerval, Lautréamont, Petrus Borel, Charles Cros, Germain Nouveau, Émile Nelligan, Armand Robin, Olivier Larronde e John Keats.

A escassa obra de Gustav Meyrink, como O Golem ou O rosto verde, encerram perguntas sobre a situação espiritual do homem; sobre a insuportável situação de insónia, entre o sonho e o acordar.

As novelas, contos e relatos de Franz Kafka, como O Processo, O Castillo, A Metamorfosis; nas quais os protagonistas se enfrentam a situações absurdas, carentes de explicação, ainda que tenha respostas, às que nunca têm acesso.

A obra do escritor português, Fernando Pessoa, em particular: O Marinheiro e O livro do desasosiego.

Obras de autores franceses como A náusea, de Sartre ; A peste, de Camus ; Viagem ao fim da noite, de Cèline; Para acabar com o julgamento de Deus, de Artaud e a poesia e dramaturgia de Jean Genet.

Uma das novelas mais conhecidas de Hermann Hesse: O lobo estepario, propõe uma situação na que o protagonista, Harry Haller, se encontra sumido em um profundo dilema sobre sua identidade. Há duas almas vivendo em seu peito: um lobo e um homem, que representam a virtude e a humanidade, em contraste com a satisfação selvagem dos instintos e uma profunda misantropía.

Os filmes do cineasta sueco Ingmar Bergman, como O sétimo selo, Gritos e susurros e Fanny e Alexander.

Os brocardos do autor rumano Emil Cioran: Brevario de podredumbre, Esse maldito eu ou "A tentación de existir".

O famoso quadro de Edvard Munch, O grito.

Heidegger

O alemão Heidegger recusou que seu pensamento fosse catalogado como existencialista. O equívoco proviria, segundo os estudiosos, da leitura e interpretação do primeiro grande tratado do filósofo, "Ser e tempo". Em verdade, ali propõe-se que o objectivo da obra é a busca do "sentido do ser esquecido pela filosofia desde seus inícios-, já desde os primeiros parágrafos, o qual com propriedade não permitiria entender o trabalho -como expressa o autor- como "existencialista"; mas Heidegger, depois dessa espécie de anúncio programático entende que é prévia à procurada ontología ou dilucidación do ser, uma "ontología fundamental" e ao se consagrar a ela com método fenomenológico, se dedica a uma análise descritiva pormenorizado e excluyente da "existência humana" ou "Dasein", com uma profundeza e uma originalidad, inéditas na história do pensamento ocidental, seguindo o método fenomenológico de Edmund Husserl. Anteriormente, o resto de sua obra, que seguirá ao primeiro tratado mencionado, publicado em 1927, ocupar-se-á de outros assuntos nos que já não se transparenta a temática "existencial". Esta aparente ruptura com o fio condutor de seu pensar primeiro, será um hiato em seu discurso que o filósofo não aceitará nunca como tal... Mas muitos críticos denominá-la-ão: "o segundo Heidegger".

A característica principal do existencialismo é a atenção que presta à existência concreta, individual e única do homem, portanto, na rejeição da mera especulação abstrata e universal.

O tema central de sua reflexão é precisamente a existência do ser humano, em termos de estar fosse ( a saber, no mundo), de vivência, e em especial de pathos ou tempere de ânimo. Em expressão de Heidegger: «o-ser-em-o-mundo».

Heidegger, efectivamente, caracteriza-se, segundo alguns, por seu firme pesimismo: considera ao ser humano como yecto (arrojado) no mundo; o Dasein encontra-se arrojado a uma existência que lhe foi imposta, abandonado à angústia que lhe revela sua mundanidad, o facto de que pode ser no mundo e que portanto, tem de morrer. Sartre, seguindo a Heidegger, também dista de caracterizar por um estilo e discurso optimistas; propõe, ao igual que Heidegger, ao ser humano não tão só como yecto, senão como pró-yecto: um projecto em situação. Não obstante, estas posturas não têm que se compreender necessariamente como pessimistas; para Sartre a angústia de uma alma consciente de encontrar-se condenada a ser livre, significa ter na cada instante da vida, a absoluta responsabilidade de renovar-se; e deste ponto parte Gabriel Marcel para sustentar uma perspectiva optimista, que lhe leva a superar qualquer oposição entre o homem e Deus, em contradição com a concepção atea de Sartre.

Sartre

"O existencialismo ateu que eu represento (...) declara que, se Deus não existe, há pelo menos um ser no que a existência precede à esencia, um ser que existe dantes de poder ser definido por nenhum conceito, e que este ser é o homem ou, como diz Heidegger, a realidade humana. Que significa aqui que a existência precede à esencia? Significa que o homem começa por existir, se encontra, surge no mundo, e que depois se define. O homem, tal como o concebe o existencialista, se não é definible, é porque começa por não ser nada. Só será depois, e será tal como se tenha feito. Por conseguinte, não há natureza humana, porque não há Deus para a conceber. O homem é o único que não só é tal como ele se concebe, senão tal como ele se quer, e como se concebe após a existência, como se quer após este impulso para a existência. O homem não é outra coisa que o que ele se faz. Este é o primeiro princípio do existencialismo. É também o que se chama a subjetividad, que se nos joga em cara baixo esse nome. Mas que queremos dizer com isto, senão que o homem tem uma dignidade maior que a pedra ou a mesa? Pois queremos dizer que o homem começa por existir, isto é, que começa por ser algo que se lança para um porvenir, e que é consciente de se projectar para o porvenir. O homem é antes de mais nada um projecto, que se vive subjetivamente, em lugar de ser um musgo, uma podredumbre ou uma coliflor; nada existe previamente a este projecto; nada há no céu inteligible, e o homem será, antes de mais nada, o que terá projectado ser. Não o que quererá ser. Pois o que entendemos ordinariamente por querer é uma decisão consciente, que para a maioria de nós é posterior ao que o homem tem feito de si mesmo. Eu posso querer aderir a um partido, escrever um livro, me casar; tudo isto não é mais que a manifestação de uma eleição mais original, mais espontánea do que se chama vontade. Mas se verdadeiramente a existência precede à esencia, o homem é responsável do que é; eu opino que é real o motivo ou causa do ser."
Jean-Paul Sartre, O existencialismo é um humanismo

Ortega e Gasset

José Ortega e Gasset, influído como Heidegger, por Husserl, resumiu sua filosofia na tese Eu sou eu e minha circunstância; considerou que vida é a realidade radical, a relação entre o Eu e as circunstâncias, o âmbito no que se faz presente tudo, é o experimentar a realidade, um conjunto de vivências, nas que a cada um se relaciona com o mundo; a intuición é a vivência na que está presente a evidência e é sobre as evidências que descansa nosso conhecimento. "A vida é uma actividade que se executa para adiante, e o presente ou o passado se descobrem depois, em relação com esse futuro. A vida é futurición, é o que ainda não é”.

Outros antecedentes

Alguns analistas consideram que, já no século XIX, os alemães Schopenhauer, Max Stirner e Nietzsche eram existencialistas avant a lettre. Inclusive, recusablemente existencialista (ainda que a palavra «existencialismo» não tivesse sido acuñada em sua época), resulta como indicávamos o chamado pessimista, por não o chamar realista Søren Kierkegaard, quem inaugura o que se denomina existencialismo cristão (neste sentido, inclusive Blaise Pascal poderia se considerar um precedente).

Três escolas de existencialismo

Em termos: a) da existência e importância de Deus ou asimilabiles como o Espiritual ou o Ser; b) a seu negación; c) os dudosos ou não-importância disso pela existência. Podem-se ver três escolas de pensamento existencialista: a teológica, a atea e a agnóstica.

Existencialismo teísta

Esta escola pode-se ulteriormente dividir em "religiosa" e "espiritualista". O existencialismo teologico-religioso acha em Kierkegaard o primeiro e maior representante. Heidegger representa o existencialismo espiritualista com sua concepção do "ser" e distancia-se expressamente do existencialismo ateu de Sartre em sua Carta sobre o humanismo. Também Buytendijk, psicólogo próximo a Heidegger, admite ser existencialista seu esta linha. Martin Buber, por sua vez, representa a uma corrente de existencialismo judeu muito influída pelo hasidismo. Enquanto Gabriel Marcel e Jacques Maritain são encuadrables dentro de um "existencialismo cristão" não tanto de linha kierkegaardiana senão mais bem jasperiana/mounierista (filosofia da existência e personalismo). Também Nikolai Berdyaev pode se considerar um existencialista religioso de fé ortodoxista.

Existencialismo ateu

O existencialismo ateu é exposto no século XX por Jean-Paul Sartre e Albert Camus, que escrevem novelas, obras teatrais e ensaios filosóficos. Mas Sartre é, sem dúvida, aquele que tem dado com O ser e a nada um exemplo de ateísmo filosófico importante.

No século XXI há que mencionar três filósofos ateus (dois franceses e um italiano) muito interessantes. Trata-se de André Comte-Sponville, Michel Onfray e Carlo Tamagnone.

Existencialismo agnóstico

É um existencialismo pelo qual a existência ou não de Deus é uma questão irrelevante para a existência humana. Merleau-Ponty pode ser considerado grande representante da corrente, ainda que mantendo mais nexos com a fenomenología de Husserl.

Pensadores próximos

Outros destacados pensadores adscribibles ao existencialismo, em maior ou menor grau, seriam: Edith Stein, Nicola Abbagnano, Emmanuel Lévinas, Maurice Blanchot Peter Wessel Zapfe, Karl Jaspers, Max Scheler, Simone de Beauvoir, Simone Weil, Abraham Alonzo, Jonás Barnaby, Emmanuel Mounier e inclusive Paul Ricoeur e Hans-Georg Gadamer.

Veja-se também

Referências

  1. Abbagnano, Nicola. História da Filosofia - Tomo III, Montaner e Simón - Barcelona, 1973. ISBN 84-274-0343-7 p. 725
  2. Influência de Fiódor Dostoyevski na Literatura

Bibliografía

Enlaces externos

Obtido de http://ks312095.kimsufi.com../../../../articles/c/ou/m/Comunicações_de_Andorra_46cf.html"