Visita Encydia-Wikilingue.com

Guerra Civil Espanhola

guerra civil espanhola - Wikilingue - Encydia

Guerra Civil Espanhola
Dabrowszczacy przysiegaja wiernosc sprawie Republiki.jpg
Voluntários polacos jurando lealdade à República.

Data 17 de julho de 1936 -1 de abril de 1939.
Lugar Espanha continental e insular, Marrocos Espanhol, Sáhara Espanhol, Guiné Espanhola.
Resultado

Vitória do bando nacional ou sublevado.

Beligerantes
Bandera de España II República Espanhola
Flag of the International Brigades.svg B. Internacionais
Bandera CNT-AIT.svg Milícias confederales
Bandera de la Unión Soviética União Soviética
Bandera de España Movimento Nacional
Bandeira da Alemanha Alemanha Nazista
Bandera de Italia Itália fascista
Bandera de Portugal Portugal
Comandantes
Francisco Longo Caballero
Juan Negrín
Vicente Vermelho Lluch
José Miaja
Juan Modesto
Juan Hernández Saravia
Buenaventura Durruti
José Giral
Belarmino Tomás
Emilio Mola
Gonzalo Queipo de Plano
Francisco Franco
José Sanjurjo
Millán Astray
Juan Yagüe Blanco
José Enrique Varela
Forças em combate
Exército Popular
16.400 policia civis
7.900 carabineros
12.000 guardas de assalto
13.000 efectivos da Armada
1 acorazado
3 cruzeiros
14 destruidores
12 submarinos
Brigadas internacionais59.380
Exército Nacional
65.000 soldados de terra
15.800 policia civis
6.500 carabineros
5.000 guardas de assalto
7.000 efectivos da Armada
1 acorazado
4 cruzeiros
1 (+4*) destruidores
2* submarinos
* Vendidos por Itália em 1937
Baixas
500.000
(120.000 em retaguarda)[1]

A Guerra Civil Espanhola foi um conflito social, político e militar que se desencadeou em Espanha depois de fracassar o golpe de estado do 17 de julho de 1936 levado a cabo por uma parte do exército contra o governo da Segunda República Espanhola, e que dar-se-ia por terminada o 1 de abril de 1939 com a último parte de guerra assinado por Francisco Franco, declarando sua vitória.

Às partes do conflito costuma-lhas denominar bando republicano e bando franquista. O primeiro constituído meio ao governo legítimo de Espanha, o da Frente Popular, apoiado pelo movimento operário, e o segundo organizado em torno dos militares sublevados, apoiado pelas forças de ultraderecha ou fascistas, as classes altas e a Igreja Católica.

Numerosos experientes do âmbito jurídico como o juiz Garzón, sustentam, baseando nos documentos dos militares, que o bando franquista planificou um genocídio já que entre seus planos estava o exterminio sistémico da oposição política, a violação das mulheres dos cidadãos republicanos ou a imposição de teste físicos e psicológicos por razões ideológicas para vincular republicanismo e marxismo com doenças mentais, actos que inclui dentro da denominação de crimes contra a humanidade.[2] [3]

As consequências da Guerra civil têm marcado em grande parte a história posterior de Espanha, pelo excepcionalmente dramáticas e duradouras: tanto as demográficas (aumento da mortalidade e descenso da natalidad que marcaram a pirâmide de população durante gerações) como as materiais (destruição das cidades, a estrutura económica, o património artístico), intelectuais (fim da denominada Idade de Prata das letras e ciências espanholas) e políticas (a repressão na retaguarda de ambas zonas -mantida pelos vencedores com maior ou menor intensidade durante todo o franquismo- e o exílio republicano), e que se perpetuaram bem mais lá da prolongada posguerra, incluindo a excepcionalidad geopolítica da manutenção do regime de Franco até 1975.

Conteúdo

Introdução

A Guerra Civil Espanhola tem sido considerada em muitas ocasiões como o preâmbulo da Segunda Guerra Mundial, já que serviu de campo de provas para as potências do Eixo, além de que supôs um desvincule entre as principais ideologias políticas de carácter revolucionário e reaccionario, que cresciam na Europa e que entrariam em conflito pouco depois: o fascismo, o constitucionalismo de tradição liberal burguesa e os diversos movimentos revolucionários (socialistas, comunistas, anarquistas e trotskistas). O Partido Comunista de Espanha impulsionou a criação de uma Frente Popular que aglutinasse à maioria de forças antifascistas, com o objectivo de defender o funcionamento democrático parlamentar do Estado por médio da Constituição vigente, a Constituição da República Espanhola de 1931. Pela contra, os anarquistas da CNT e os comunistas do POUM recusaram pactos com a burguesía e defenderam a revolução simultaneamente que a guerra, com o objectivo de estabelecer um modelo social libertario ou um estado socialista (em termos marxistas ditadura do proletariado)[4] [5] , eliminando a coerción de qualquer estrutura hierárquica através de uma economia de carácter comunista e autónomo, e uma organização política baseada em órgãos de base e comités, sintetizado todo isso na consigna do comunismo libertario, ainda que muitos também aceitaram participar no governo no final de 1936 .[6] .[7] Os partidos nacionalistas centraram-se na defesa de sua autonomia ou em propostas secessionistas. Muitos militares sublevados e os falangistas defenderam, em palavras do próprio Franco, a implantação de um Estado totalitario. Os monárquicos pretendiam a volta de Alfonso XIII. Os carlistas a implantação da dinastía carlista, etc. Em ambos bandos teve interesses encontrados.

De facto, estas divisões ideológicas ficaram claramente marcadas ao estallar a Guerra Civil: os regimes fascistas europeus (Alemanha, Itália) e Portugal apoiaram desde o princípio aos militares sublevados. O Partido Comunista de Espanha (PCE), pertencente à Internacional Comunista, conseguiu então o apoio à Segunda República da URSS, que forneceu equipa bélico à República, e das Brigadas Internacionais. O governo republicano também recebeu ajuda de México , onde fazia pouco tinha triunfado a Revolução mexicana.

As democracias ocidentais, França, o Reino Unido e Estados Unidos, decidiram manter à margem, segundo uns em linha com sua política de não-confrontación com Alemanha, segundo outros porque pareciam preferir a vitória dos sublevados. Não obstante, o caso da França foi especial, já que estava governada, ao igual que Espanha, por uma Frente Popular. Ao princípio tentou timidamente ajudar à República, à que cobrou uns 150 milhões de dólares em ajuda militar (aviões, pilotos, etc.), mas teve que submeter às directrizes do Reino Unido e suspender esta ajuda.

Em qualquer caso, este alinhamento dos diferentes países não fazia mais que refletir as divisões internas que também existiam na Espanha dos anos 1930 e que só podem se explicar dentro da evolução da política e a sociedade espanhola nas primeiras décadas do século XX.

Alguns vêem nestas profundas diferenças político-culturais o que Antonio Machado denominou as duas Españas. No bando republicano, o apoio estava dividido entre os democratas constitucionais, os nacionalistas periféricos e os revolucionários. Este era um apoio fundamentalmente urbano e secular, ainda que também rural em regiões como Cataluña, Valencia, País Basco, Astúrias e Andaluzia. Pelo contrário, no bando nacional, o apoio era basicamente rural e burgués, mais conservador e religioso. Sobretudo foram aquelas classes mais ou menos privilegiadas até então, (burgueses, aristócratas, muitos militares, parte da hierarquia eclesiástica, terratenientes ou pequenos labradores proprietários, etc.) que depois da vitória da Frente Popular viam peligrar sua posição ou consideravam que a unidade de Espanha estava em perigo.

O número de vítimas civis ainda se discute, mas são muitos os que convêm em afirmar que a cifra situar-se-ia entre 500.000 e 1.000.000 de pessoas [1] . Muitas destas mortes não foram devidas aos combates, senão à repressão em forma de execuções sumarias e passeios. Esta se levou a cabo no bando nacional de maneira sistémica e por ordem de seus superiores, enquanto no bando republicano se produziu de maneira descontrolada em momentos em que o governo perdeu o controle das massas armadas [8] . Os abusos centraram-se em todos aqueles suspeitos de simpatizar com o bando contrário. No bando nacional perseguiu-se principalmente a sindicalistas e políticos republicanos (tanto de esquerdas como de direitas), enquanto no bando republicano esta repressão se dirigiu para simpatizantes da reacção ou suspeitos do ser e sacerdotes da Igreja Católica, chegando a queimar conventos e igrejas e assassinando a bispos , sacerdotes e freiras. É incalculable a perda no património histórico e artístico da Igreja Católica, pois destruíram-se uns 20.000 templos —entre eles várias catedrais— incluindo sua ornamentación (retablos e imagens) e arquivos.[9] [10]

Depois da guerra, a repressão franquista se cebó com o bando perdedor, iniciando-se uma limpeza da que foi chamada Espanha Vermelha e de qualquer elemento relacionado com a República, o que conduziu a muitos ao exílio, a morte, ao roubo de bebés de pais republicanos que ainda a dia de hoje desconecen, em muitos casos, sua identidade. Durante esse tempo, falar de democracia, república ou marxismo era perseguible. A economia espanhola demoraria décadas em recuperar-se.

Profundidade política

Ao abandonar Alfonso XIII Espanha, vista a falta de apoio popular nas eleições municipais de 1931, proclama-se a República e convocam-se eleições que ganham as esquerdas republicanas e operárias (o PSOE se converte no partido com mais deputados nos Cortes). Começa o chamado Biénio Progressista, durante o qual o Governo da República, formado por diferentes formações republicanas de esquerda (Acção Republicana, radicais-socialistas...) e o Partido Socialista, trata de pôr em marcha uma série de leis de alto conteúdo social. O falhanço e a lentidão na aplicação das mesmas levam a um descontentamento popular, que culmina em uma série de levantamentos anarquistas (em janeiro e dezembro de 1933), reprimidos com dureza e que provocam um forte escândalo político, a queda do Governo e a celebração de eleições antecipadas em 1933.

CEDA-A , partido de direita, ganha estas eleições, mas o Presidente da República não lhes permite formar governo, pelo que o acabam formando os radicais de Lerroux com o imprescindible apoio da CEDA. Começa o governo de centro direita chamado pelo esquerda Biénio Negro, já que anulou muitos dos direitos sociais e reformas progressistas aprovadas durante o governo anterior, biénio progressista, opondo-se especialmente à reforma agrária. Grande parte do povo plano tinha esperado grandes mudanças da Segunda República. Mas a vitória dos conservadores truncou as esperanças de muitos e reverdeció a agitación e os protestos ao ver o rumo de marcha atrás que tomava sua política.

Ante o que consideram mau governo de Lerroux, a CEDA exige sua participação no governo. Nomeiam-se três ministros de CEDA-A, mas esta nomeação (constitucional) não é aceite nem pela esquerda nem pelos nacionalistas. ERC (Esquerra Republicana de Cataluña) proclama desde Barcelona o Estado Catalão dentro da República Federal Espanhola e UGT declara uma greve geral revolucionária, o que provoca a Revolução de 1934 e a proclamación desde Oviedo da República Socialista Espanhola. A situação fica rapidamente dominada pelo Governo, salvo nas Astúrias, único lugar no que os anarquistas se unem aos partidos e sindicatos de esquerdas. O Governo reprime a sublevación das Astúrias com dureza, trazendo da África à Legión e, uma vez finalizada, produz-se uma forte repressão.

Os escândalos financeiros e políticos fazem cair ao Governo radical-cedista e convocam-se novas eleições, nas que, pela primeira vez em muito tempo, a esquerda une forças formando a Frente Popular, e os anarquistas, tradicionalmente abstencionistas, apesar de não fazer parte da coalizão, lhe dão seu apoio.

Com uns resultados muito ajustados, ganha as eleições a Frente Popular. Pouco tempo depois, baseando-se estritamente em uma norma sobre a dissolução dos Cortes, é destituído o Presidente da República, Alcalá-Zamora; por outra parte, destina-se fora de Madri aos generais que se consideram desafectos à República.

Durante a Segunda República, a polarización da política espanhola que se iniciou no final do século XIX atinge seu cenit. Convivem uma esquerda revolucionária e uma direita fascista importantes, com uma esquerda moderada e uma direita republicana; um centro anticlerical e uma direita de forte componente católico e monárquico, uma sociedade secular muito anticlerical e um catolicismo ultraconservador.

Desde 1808, a sociedade espanhola tentava sair de uma tradição absolutista que, a diferença do resto dos países da Europa, lastraba ainda ao país, mantendo fortes diferenças económicas entre privilegiados e não privilegiados, derivados do moderantismo decimonónico. Os conservadores, muitos militares, terratenientes e parte da hierarquia católica vêem peligrar sua posição privilegiada e seu conceito da unidade de Espanha.

Uma população rural dividida entre os jornaleros anarquistas e os pequenos proprietários aferrados a (e dominados por) os caciques e a Igreja; uns burócratas conformistas e uma classe operária com salários muito baixos e, portanto, com tendências revolucionárias próprias do novo século, fazem que também entre as classes pobres a divisão fosse muito acusada. Também existia uma tradição a mais de um século (desde os tempos do rei Fernando VII), segundo a qual os problemas não se arranjavam mais que com os levantamentos.
Este conjunto de circunstâncias faz que, durante a Segunda República, o clima social seja muito tenso, a insegurança cidadã muito alta e os atentados de carácter político ou anticlerical uma marca para o país.

Não é estranho, pois, que em uma Espanha marcada pela recente ditadura de Primo de Rivera e intentonas frustradas, como as de José Sanjurjo, voltasse a ter ruído de sables e se temesse um plano para derrubar ao novo Governo estabelecido. Os acontecimentos dariam a razão aos pessimistas.

A Revolução Social

Artigo principal: Revolução Espanhola

Como consequência da inacción do Governo nos primeiros momentos da revolta militar, nas áreas controladas pelos anarquistas (principalmente Aragón e Cataluña), em soma às temporárias vitórias militares, se levou a cabo uma grande mudança social, no qual os trabalhadores e os camponeses colectivizaron a terra e a indústria e estabeleceram conselhos paralelos ao já então paralisado Governo. A esta revolução opuseram-se os republicanos e comunistas apoiados pela União Soviética. A colectivización agrária tinha tido um considerável sucesso apesar de carecer dos recursos necessários, quando Franco já tinha capturado as terras com melhores condições para o cultivo. Este sucesso sobreviveu nas mentes dos revolucionários libertarios como um exemplo de que uma sociedade anarquista pode florescer baixo certas condições como as que se viveram durante a Guerra Civil Espanhola.

Quando a guerra progrediu, o Governo e os comunistas foram capazes de aceder às armas soviéticas para restaurar o controle do Governo e se esforçar em ganhar a guerra, através da diplomacia e a força. Os anarquistas e os membros do POUM foram integrados ao exército regular, ainda que com resistência; o POUM foi declarado ilegal, denunciado falsamente de ser um instrumento dos fascistas. Nas Jornadas de maio de 1937 , as milícias anarquistas e poumistas enfrentaram-se às forças de segurança republicanas pelo controle dos pontos estratégicos de Barcelona , tal como George Orwell o relata em Homenagem a Cataluña.

Veja-se também: Anarquismo em Espanha

A Igreja e a Guerra Civil Espanhola[11]

Mudança: Laicidad do Estado

Em outubro de 1931 , Manuel Azaña, que para então ocupava a jefatura do Governo republicano, declarou que Espanha tinha deixado de ser católica[12] , actuando seu governo de acordo com isso. Desvinculando a Igreja do Estado, mostrando assim o avanço para um Estado Laico, em consequência os subsídios que se outorgavam ao clero ficaram abolidos. A educação não devia ter carácter religioso, senão que devia ser fornecida e subvencionada pelo Estado (que ainda com dificuldades económicas, devido às dívidas por indemnizações do programa de desamortización de terrenos agrários, fomentou a educação pública e iniciou a criação de novas escolas), se introduziu o casal civil, o divórcio e o enterro civil. As reformas foram interpretadas como um ataque para a Igreja. O cardeal Pedro Segura e Sáenz lamentou-se deste «severo golpe» e temeu pela hegemonía eclesiástica na nação. Desde este momento as diferenças entre a hierarquia eclesiástica e o governo da Segunda República Espanhola ir-se-iam fazendo maiores.[13]

A guerra civil: uma cruzada

Artigo principal: Cruzada espanhola

O golpe de Estado tinha motivos políticos, mas o conflito cedo tomou um cariz religioso. A Igreja Católica, cujo poder tinha sido socavado, converteu-se em alvo de ataques. Treze bispos, 4.184 sacerdotes, 2.365 religiosos, 263 freiras e milhares de pessoas vinculadas a associações confesionales ou meramente católicas praticantes foram assassinados por revolucionários opostos ao golpe militar, que equiparaban à Igreja Espanhola com a direita. Saqueou-se e prendeu fogo a igrejas e monasterios. Ante esta barbarie, a Igreja confiou nos sublevados para defender sua causa e «devolver a nação ao seio da Igreja».

A realidade não era singela, pois alguns dos que se encontravam no bando republicano da guerra também eram católicos, sobretudo no País Basco, de recia tradição católica (especialmente seu partido mais representativo PNV), pelo que os curas bascos sofreram perseguição pelos dois bandos, uns por ser curas e outros por ser nacionalistas. A guerra civil enfrentou não somente a republicanos e sublevados (entre os que também tinha republicanos), senão a católicos contra católicos, pese à carta pastoral non licet dos bispos de Vitoria e Pamplona, na que dizem:
Não é lícito, em nenhuma forma, em nenhum terreno, e menos na forma cruentísima da guerra, última razão que têm os povos para impor sua razão, fraccionar as forças católicas ante o comum inimigo...

Menos lícito, melhor, absolutamente ilícito é, após dividir, somar ao inimigo para combater ao irmão, promiscuando o ideal de Cristo com o de Belial, entre os que não há compostura possível...

Chega a ilicitud à monstruosidad quando o inimigo é este monstro moderno, o marxismo ou comunismo, hidra de sete cabeças, sínteses de toda herejía, oposto diametralmente ao cristianismo em sua doutrina religiosa, política, social e económica...
[14]

O cardeal Isidro Gomá, arcebispo de Toledo e primado de Espanha, escreveu:

A guerra de Espanha é uma guerra civil? Não; uma luta dos sem Deus [...] contra a verdadeira Espanha, contra a religião católica.
A Guerra de Espanha, 1936–1939, página 261.

Pouco depois do começo da guerra (1936), este mesmo cardeal referiu-se ao conflito como uma luta entre:

Espanha e a anti-Espanha, a religião e o ateísmo, a civilização cristã e a barbarie.
A Guerra de Espanha, 1936–1939, página 261.

Em janeiro de 1937, em sua Resposta obrigada: Carta aberta ao Sr. D. José Antonio Aguirre[14] diz:

O amor ao Deus de nossos pais tem posto as armas em mãos da metade de Espanha ainda admitindo motivos menos espirituais na guerra; o ódio tem manejado contra Deus as da outra metade...

De facto não há acto nenhum religioso de ordem social nas regiões ocupadas pelos vermelhos; nas tuteladas pelo exército nacional a vida religiosa tem cobrado novo vigor...

...Conte os milhares que têm sido villanamente assassinados nas terras ainda dominadas pelos vermelhos. É endeble seu catolicismo neste ponto, senhor Aguirre, que não se rebela ante esta montanha de corpos exánimes, santificados pela unción sacerdotal e que têm sido profanados pelo instinto infrahumano dos aliados de você; que não lhe deixa ver mais que uma dúzia longa, catorze, segundo lista oficial —menos do dois por mil— que têm sucumbido vítimas de possíveis extravíos políticos, ainda concedendo que tivesse tido extravio na forma dos julgar.

O cardeal Francisco Vidal e Barraquer, arcebispo de Tarragona , quem tratou de manter uma posição imparcial durante a guerra, foi obrigado pelo Governo de Franco a permanecer no exílio até sua morte em 1943 .

Quase em um ano após iniciada a guerra, o 11 de julho de 1937 , após a cruel perseguição sofrida pela Igreja na maior parte da Espanha republicana, os bispos espanhóis publicaram uma carta colectiva aos bispos de todo mundo na que explicam sua posição com respeito à guerra civil, expondo que não estão a defender um regime totalitario contra um regime democrático.[15] Entre outras coisas dizia o seguinte:

Que a Igreja, apesar de seu espírito de paz e de não ter querido a guerra nem ter colaborado nela não podia ser indiferente na luta...
Hoje por hoje, não há em Espanha mais esperança para reconquistar a justiça e a paz e os bens que delas derivam, que o triunfo do movimento nacional. Talvez hoje menos que nos começos da guerra, porque o bando contrário, apesar de todos os esforços de seus homens de governo, não oferece garantias de estabilidade política e social...
Dêmos agora um layout do carácter do movimento chamado «nacional». Cremos justa esta denominação. Primeiro, por seu espírito; porque a nação espanhola estava desassociada, em sua imensa maioria, de uma situação estatal que não soube encarnar suas profundas necessidades e aspirações; e o movimento foi aceitado como uma esperança em toda a nação; nas regiões não libertadas só espera romper a coraza das forças comunistas que lhe oprimem. ....
A irrupción contra os templos foi súbita, quase simultânea em todas as regiões, e coincidiu com a matança de sacerdotes. Os templos arderam porque eram casas de Deus, e os sacerdotes foram sacrificados porque eram ministros de Deus...
Prova elocuentísima de que da destruição dos templos e a matança dos sacerdotes, em forma totalitaria foi coisa premeditada, é seu número horrível. Ainda que são prematuras as cifras, contamos umas 20.000 igrejas e capillas destruídas ou totalmente saqueadas. Os sacerdotes assassinados, contando uma média do 40 por 100 nas diócesis desbastadas em algumas chegam ao 80 por 100 somarão, só do clero secular, uns 6.000. Caçou-se-lhes com cães, perseguiu-se-lhes através dos montes; foram procurados com afán em todo o esconderijo. Matou-se-lhes sem prejuízo as mais das vezes, sobre a marcha, sem mais razão que sua oficio social.
«Carta colectiva dos bispos espanhóis aos bispos de todo mundo com motivo da guerra em Espanha», na Enciclopedia Espasa-Calpe, suplemento 1936–1939, páginas 1553–1555.

Na Guerra Civil espanhola, ante a perseguição religiosa na zona republicana, a Igreja e o Movimento Nacional fizeram causa comum, colaborando a Igreja activamente durante ela (de forma muito similar ao que faria a Igreja Ortodoxa Russa na URSS com Stalin durante a Segunda Guerra Mundial), legitimando o discurso dos sublevados com a ideia da cruzada, servindo os bispos e sacerdotes como capellanes aos combatentes nacionais, lhes administrando os sacramentos e abençoando as armas e as bandeiras dos regimientos que partiam à frente. Sentiu-se enormemente aliviada pelo triunfo das tropas de Franco, e recebeu ademais a compensação económica que supôs a restauração do orçamento do clero em outubro de 1939.[16]

O 20 de maio de 1939 , na Igreja de Santa Bárbara (Madri), o general Franco entregou a espada de sua vitória ao cardeal Gomá. O Exército, o Movimento Nacional e a Igreja celebraram juntos aquele triunfo.

Na mensagem Com imenso gozo, difundido por Rádio Vaticano o 16 de abril de 1939, o recentemente eleito Papa Pío XII saudava o resultado da guerra.[16] [17]

Os detonantes

Dantes do Pronunciamiento do 17 e 18 de julho de 1936 uma série de factos alarmaron à opinião pública.

Entre fevereiro e julho de 1936 produziram-se grandes distúrbios na rua, contabilizándose centenas de tiroteios e dezenas de mortos, além de assaltos a igrejas, partidos políticos ou jornais.

O 14 de abril de 1936 produz-se o desfile de comemoração do Quinto aniversário da República, presidido por Manuel Azaña. Durante o passo da Policia civil, os abucheos e os distúrbios foram abundantes, já que duvidava-se da fidelidade ao Governo da mesma, e o resultado foi a morte do alférez Dos Reis durante uma trifulca.

Mas o 16 de abril o enterro constituiu uma desculpa para que a direita se jogasse à rua para protestar efusivamente; a comitiva, que quis percorrer muita mais distancia que a que a separava do cemitério, acabou por provocar trifulcas (existem fotografias de tiroteios pelas ruas) que fizeram entrar em jogo aos Guardas de Assalto. Em todo este caos, resulta morrido Andrés Sáenz de Heredia (primo de José Antonio Primo de Rivera, fundador de Falange ), e uma multidão, ao observar como o tenente José do Castillo Sáez de Tejada dispara a um jovem tradicionalista (carlista), José Llaguno Acha, enfurece e tenta lincharlo. Tanto o jovem como ele precisaram atenção médica.

E o 12 de julho, o mencionado José do Castillo Sáez de Tejada morre assassinado enquanto passeia tranquilamente pela rua (provavelmente por falangistas.[18] Castillo era conhecido por seu activismo esquerdista e por negar-se a intervir contra os rebeldes da Revolução das Astúrias, «Eu não tiro sobre o povo» foram suas palavras [cita requerida], e este acto de rebeldia custar-lhe-ia em um ano de cárcere.

A conmoción pelo assassinato não demorou em se estender entre a própria Guarda de Assalto à que ele pertencia. E à madrugada seguinte, em represália, um grupo de guardas, ao não encontrar em sua casa a Gil-Robles , sequestram e matam a José Calvo Sotelo, quem era membro dos Cortes e líder da oposição à Frente Popular e tinha sido ministro de finanças durante a ditadura de Miguel Primo de Rivera. Este crime convenceu da necessidade de dar o golpe de Estado aos militares que ainda estavam indecisos, entre eles e segundo Preston, a Franco. Este golpe de Estado estava preparado por Mola (o Director) para mediados ou finais de julho desde fazia tempo (o Dragon Rapide já estava em caminho), e contava com o apoio da Falange e dos movimentos conservadores e católicos. O levantamento acabava de começar.

A guerra

Erro ao criar miniatura:
Mapa geral do desenvolvimento da guerra.

A insurrección do 17 de julho

O golpe de Estado foi cuidadosamente planeado, entre outros militares, pelos generais José Sanjurjo, Emilio Mola (o Director do levantamento) e secundado por Francisco Franco, com o que contavam desde o princípio, mas que não confirmou sua participação até o assassinato de Calvo Sotelo. Os planos estabeleceram-se já na primavera de 1936, e na conspiração participaram comandos militares —a União Militar Espanhola, antirrepublicana, e a Junta de Generais (cujo coordenador era o mesmo Mola)—, monárquicos, carlistas e outros sectores da extrema direita.

O general José Sanjurjo deveria ter sido o futuro Chefe de Estado mas morreu em acidente de aviação ao transladar-se a Espanha desde Portugal, onde estava exilado por sua tentativa inesperadamente de Estado em Sevilla o 10 de agosto de 1932 .

Os últimos detalhes da sublevación se concretaron durante umas manobras realizadas o 12 de julho no vale do Plano Amarelo, em Ketama, Marrocos, estando previsto dar o golpe de Estado escalonadamente, o 18 em Marrocos e o 19 no resto de Espanha.

O 17 de julho pela manhã em Melilla , os três coronéis que estavam ao tanto do levantamento militar se reúnem no departamento cartográfico e traçam os planos para ocupar o 18 os edifícios públicos, planos que comunicam aos dirigentes falangistas. Um dos dirigentes locais da Falange informa ao dirigente local de União Republicana, chegando esta informação ao General Romerales, Comandante Militar de Melilla, que a sua vez informa a Casares Quiroga. Romerales envia pela tarde uma patrulha de soldados e guardas de assalto a registar o departamento cartográfico. O coronel ao comando do mesmo atrasa o registo e lume ao quartel da Legión, desde onde lhe enviam um grupo de legionarios. Ante estes, a patrulha se rende e os sublevados procedem a prender a Romerales, proclamam o estado de guerra e iniciam antecipadamente o levantamento, informando a seus colegas do resto de Marrocos que tinham sido descobertos. Isto fez que se adiantasse em Marrocos a data prevista.

Mola decide adiantar as datas previstas, pelo que ao dia seguinte, 18 de julho, a sublevación se generaliza em quase toda Espanha, e o 19 de julho já é geral.

Erro ao criar miniatura:
Áreas controladas pelos sublevados ao início da guerra.

Excepto casos isolados, os militares triunfam nas zonas onde foram mais votadas as candidaturas de direitas nas eleições de fevereiro de 1936 , e fracassam onde a vitória eleitoral correspondeu à Frente Popular, como em Madri e Barcelona, onde a insurrección é aplastada sem miramientos. Assim, o 21 de julho os rebeldes têm tomado o controle da zona de Marrocos baixo protectorado espanhol, as ilhas Canárias (excepto A Palma), as ilhas Baleares (excepto Menorca), parte da província de Cádiz e sua capital homónima, junto com as cidades de Córdoba , Sevilla e Granada em Andaluzia e a zona situada ao norte da Serra de Guadarrama e do rio Ebro (incluindo a Galiza , a Região de León, Castilla a Velha -excepto a província de Santander actual Cantabria-, o norte de Extremadura , Navarra e a parte ocidental de Aragón ), excepto Astúrias (salvo seu capital Oviedo que ficou em mãos nacionais), Cantabria, Vizcaya e Guipúzcoa na costa norte, a parte oriental de Aragón , a região de Cataluña no nordeste, Valencia, parte de Castilla a Nova e o oriente de Andaluzia . O 27 de julho de 1936 chegou a Espanha o primeiro escuadrón de aviões italianos enviado por Benito Mussolini.[19]

Erro ao criar miniatura:
O em frente aos quatro meses da rebelião militar.

As forças republicanas, por sua vez, conseguem sufocar o levantamento na maior parte de Espanha, incluindo todas as zonas industrializadas, obrigado em parte à participação das milícias recém armadas de socialistas, comunistas e anarquistas, bem como à lealdade da maior parte da Guarda de Assalto e, no caso de Barcelona, da Policia civil. O governador militar de Cartagena, Toribio Martínez Cabrera, era simpatizante da Frente Popular e a marinería também era contrária ao golpe militar, o que unido aos tumultos populares dos dias 19 e 20 fizeram fracassar o movimento golpista em Múrcia .

Por outra parte, caem em mãos dos sublevados algumas das cidades andaluzas maiores, incluindo Sevilla (onde o general Gonzalo Queipo de Plano se faz com inusitada facilidade com o comando da 2ª Divisão Orgânica), Cádiz, Córdoba e Granada. Destas, as três primeiras se converteram em centros do levantamento militar na região de Andaluzia .

Centros do levantamento militar

Os centros do levantamento militar eram 13: Ceuta no norte da África; Cádiz, Sevilla e Córdoba em Andaluzia ; Ferrol (a cidade natal de Franco), província da Corunha, na Galiza; Oviedo, capital das Astúrias, a qual suportou um assédio por parte dos republicanos durante 90 dias, até a entrada das tropas franquistas o 17 de outubro; Salamanca e León na então existente região de León ; Valladolid e Burgos na antiga Castilla a Velha; Vitoria, capital da província de Álava , no País Basco; Pamplona, capital de Navarra e Zaragoza, capital da província do mesmo nome, em Aragón . Os principais núcleos republicanos eram 7: Madri na antiga Castilla a Nova, Bilbao, capital de Vizcaya , no País Basco; Barcelona em Cataluña ; Valencia actual capital da Comunidade Valenciana; Cartagena e Albacete na região de Múrcia; e Málaga em Andaluzia.

Dos citados centros da sublevación partem as ofensivas do Exército de Espanha, a fazer o que a propaganda nacional chamou a Reconquista, para tomar as cidades em mãos da República ou a libertar aos lugares em mãos dos rebeldes asediados pelas tropas governamentais, como são os casos do lugar de Oviedo e do Alcázar toledano. Neste contexto, os nacionalistas e os republicanos procedem a organizar seus respectivos territórios e a reprimir qualquer oposição ou suspeita de oposição. Uma estimativa mínima assinala que mais de 50.000 pessoas foram executadas, morridas ou assassinadas na cada bando, o que dá uma indicação da grande dureza das paixões que a guerra civil tinha desatado.

O resultado do levantamento é incerto. Aproximadamente um terço do território espanhol tem passado a mãos rebeldes, com o que nenhum dos dois bandos tem absoluta supremacía sobre o outro. A intentona de derrocar de uma vez à República tinha fracassado estrondosamente. Ambos bandos se preparam para o inevitável. Um confronto que ia a desangrar Espanha durante três longos anos. A Guerra Civil Espanhola acabava de começar.

O desenvolvimento da guerra

Bandeira das Brigadas Internacionais
Mediante Decreto de 2 de fevereiro de 1938, o governo da Junta de Burgos adoptou um escudo influenciado pela ideologia de Falange, inspirado em elementos da heráldica dos Reis Católicos como a águia de San Juan e o jugo e as setas mas incluindo alheios, como os pilares de Hércules ou as correntes de Navarra e introduzindo novos, como o lema «Uma, Grande, Livre»

Toda a esperança de um rápido desvincule desaparece o 21 de julho, no quinto dia de rebelião, quando os sublevados conquistaram o porto naval de Ferrol . O triunfo parcial da sublevación militar anima às potências fascistas a apoiar aos rebeldes. Nos primeiros dias morre o general Sanjurjo em um acidente de aviação, pelo que o comando dos rebeldes fica então repartido entre Emilio Mola e Franco.

No entanto, o comando dos nacionalistas foi assumido gradualmente pelo general Franco que liderava as forças que tinha trazido de Marrocos. O 1 de outubro de 1936 foi nomeado Chefe do Estado e formou governo em Burgos . O 3 de junho de 1937 morre em outro acidente de avião o general Emilio Mola, ficando definitivamente Franco só à frente da rebelião militar.

O presidente da República Espanhola até quase o fim da guerra foi Manuel Azaña, um liberal anticlerical, procedente do partido Esquerda Republicana. Enquanto o Governo republicano estava encabeçado, a começos de setembro de 1936, pelo líder do partido socialista Francisco Longo Caballero, seguido em maio de 1937 por Juan Negrín, também socialista, quem permaneceu como chefe do Governo durante o resto da guerra e continuou como chefe do Governo republicano no exílio até 1945.

A guerra terrestre

1936
Soldados italianos do bando nacional servindo um canhão na batalha de Guadalajara.

Ao fracassar o golpe de Estado e prever-se uma guerra de longa duração, o primeiro problema com o que se enfrentam os sublevados é um problema logístico. O Exército da África está em Marrocos, e deve passar à península, a frota republicana bloqueia o estreito de Gibraltar impedindo seu passo e o exército de Mola está escasso de munições. Põe-se em marcha imediatamente uma ponte aérea, ao princípio só com meios próprios, e depois apoiado por aviões italianos e alemães, entre Marrocos e Sevilla. Com os poucos aviões de ataque e bombardeio disponíveis, se hostiga à escuadra republicana no estreito, permitindo o passo de um primeiro convoy naval praticamente desprotegido entre Ceuta e Algeciras, e inicia-se a Campanha de Extremadura para tratar de unir as duas zonas em poder dos sublevados, o que se consegue com a tomada de Badajoz em meados de agosto de 1936, menos de um mês após o levantamento militar. A rapidez com que caíram uma depois de outra as populações no avanço por Extremadura e o Tajo pode atribuir ao avanço do Exército da África de Franco, as tropas melhor treinadas e curtidas em combate, quiçá as únicas verdadeiramente profissionais nos primeiros caóticos meses de guerra.[20]
Uma vez unidas as duas forças, inicia-se o avanço sobre Madri, como tentativa de reparar a contenda o dantes possível. Nesta série de acções, passou à mitología da guerra a libertação dos rebeldes asediados no Alcázar de Toledo o 28 de setembro, que baixo o comando do coronel José Moscardó suportavam os ataques republicanos desde o 22 de julho; ao receber Moscardó a Varela (encabeçando ao Exército da África) este lhe disse a famosa frase: Meu general, sem novidade no Alcázar. Franco ordenou desviar-se para Toledo na contramão da opinião de seus conselheiros que lhe recomendaram tomar Madri; hoje em dia há quem pensam que de ter tomado Madri de imediato a guerra ter-se-ia encurtado substancialmente de não se ter libertado o Alcázar toledano, pois de todos modos as tropas sitiadoras tinham que defender à capital, mas o facto levantou a moral franquista. O 8 de novembro começa a Batalha de Madri mas os rebeldes não conseguem seu objectivo (a tomada da capital), se estabilizando o frente no dia 23.
Por outra parte, o Governo da República passa sucessivamente das mãos de Santiago Casares Quiroga, quem demite depois do levantamento, às de Diego Martínez Bairro, que nem sequer jura o cargo. Depois dele chegam José Giral, dirigente de Esquerda Republicana, e o membro do PSOE Francisco Longo Caballero.

No norte, as tropas nacionais tomam Irún o 5 de setembro e San Sebastián o 13 de setembro, ficando o norte republicano rodeado por terra pelos nacionalistas. O 17 de outubro rompe-se o cerco de Oviedo .

Erro ao criar miniatura:
A frente em outubro de 1937.
1937

Em torno de Madri produzem-se diferentes ofensivas e batalhas, tratando um bando de isolar Madri e o outro de aliviar a pressão sobre a capital. São a batalha do Jarama, do 6 ao 24 de fevereiro, a batalha de Guadalajara, com vitória republicana em parte graças aos planos de ofensiva contra as tropas italianas de José Miaja, do 8 ao 18 de março; e a batalha de Brunete do 6 ao 26 de julho, com vitória dos nacionais. As duas primeiras são iniciativas dos sublevados e a terça dos republicanos. Nenhuma consegue seu objectivo.

Pese a que Longo Caballero melhorou a coordenação do Exército republicano, foi incapaz de conter as disputas entre as formações políticas da coalizão governamental (que incluía pensamentos tão distantes como o socialismo, o comunismo, o republicanismo burgués, o nacionalismo regional e, em uns meses depois, o anarquismo) e, por tanto, foi substituído por Juan Negrín, sobre o que cedo caiu a acusação de estar dominado pelos comunistas.

Na frente de Aragón, a República inicia no final de agosto uma ofensiva em Belchite , para tentar aliviar a pressão na frente do norte. Quase ao mesmo tempo, os nacionais rompem no norte o chamado Cinto de Ferro e ocupam Bilbao, Santander e finalmente, o 20 de outubro, Gijón, pondo fim ao frente norte. Os prisioneiros da Frente Norte foram enclausurados no campo de Miranda de Ebro.
No sul, tomam Málaga o 8 de fevereiro, estabilizando-se a frente na província de Almería . Ao finalizar no ano, a República toma a iniciativa e começa a batalha de Teruel seguindo os planos do geral Vicente Vermelho.

1938
Erro ao criar miniatura:
Mapa de Espanha dois anos após o início da guerra a fins de 1938.

Continua a batalha de Teruel, que é tomado o 8 de janeiro pelos republicanos e voltado a recuperar o 20 de fevereiro pelos nacionais.
No Governo da República, Negrín faz-se ademais com o ministério da Defesa Nacional, substituindo a Indalecio Prieto, e propõe aos insurrectos os 13 pontos de Negrín como acordo de paz, para restabelecer uma democracia consensuada sobre princípios afastados do conflito bélico.

O 7 de março inicia-se a ofensiva de Aragón por parte dos nacionais, com o firme propósito de dividir em dois a zona repúblicana. Realizou-se em 3 fases, com uso intensivo de tácticas modernas com meios motorizados e aviação (é provável que no Baixo Aragón se ensayara pela primeira vez a "Blitzkrieg" ou guerra relâmpago alemã). Alcañiz é bombardeado o 3 de março, e tomado pouco depois, Caspe cai o 17 de março e Lérida o 3 de abril.

As tropas de Franco tomam Vinaroz o 15 de abril, partindo finalmente em dois a Espanha republicana. A República contraataca o 24 de julho mediante a batalha do Ebro, que se converte em uma dura guerra de desgaste para ambos bandos e termina o 16 de novembro com a retirada republicana. A partir deste momento, a rota de acesso a Cataluña fica despejada. O 23 de dezembro inicia-se a Ofensiva de Cataluña.

1939
Comunicado emitido pelo Quartel Geral do Generalísimo anunciando o fim da guerra

Precipitam-se os acontecimentos, caindo Barcelona o 26 de janeiro e Gerona o 5 de fevereiro. Em datas sucessivas, as tropas nacionais avançam para a fronteira francesa e tomam os passos desde Puigcerdá até Portbou (Gerona).

Erro ao criar miniatura:
Situação aproximada em fevereiro de 1939.

Nos últimas Cortes republicanas, as de Figueras , Negrín pede entre outras coisas que o povo possa decidir sobre o futuro do regime, mas ante a inminencia da vitória os nacionais recusam suas petições.

Em Madri, o Coronel Casado dá um golpe de Estado anticomunista em março, criando-se o Conselho Nacional de Defesa, enquanto Juan Negrín —seguindo seu critério de manter a resistência— e boa parte do Governo refugiam-se em Elda e Petrer, na chamada «Posição Yuste».

A nova instituição faz-se com o controle de Madri depois de um cruento confronto entre as mesmas tropas republicanas e inicia as diligências com o Governo de Burgos com o objectivo de lembrar a paz. Fracassadas estas, o 26 de março cai a cidade. E o Governo republicano perde rapidamente as últimas capitais de província que mantinha: o 29 de março Cuenca, Albacete, Cidade Real, Jaén e Almería; o 30 de março Valencia e Alicante, e o 31 de março Múrcia.[21]

Outra versão do comunicado emitido pelo Quartel Geral do Generalísimo

O primeiro de abril Franco emite a último parte, que diz o seguinte:

No dia de hoje, cativo e desarmado o exército vermelho, têm atingido as tropas nacionais seus últimos objectivos militares. A guerra tem terminado. Burgos, 1º de abril de 1939, ano da vitória. O Generalísimo. Fdo. Francisco Franco Bahamonde.

A guerra naval

Ao princípio da Guerra Civil, a partilha da frota era o seguinte:

O bloqueio do Estreito
O cruzeiro pesado Canárias, já depois da contenda

A escuadra republicana, consciente de que deve impedir o passo do Exército da África à península, bloqueia o estreito de Gibraltar, sendo hostigada por uns poucos aviões nacionais. Só consegue passar um pequeno convoy com uns mil homens, o que se interpreta desde o bando franquista como um grande sucesso. Mas ante o avanço dos nacionais no Norte de Espanha, a República decide enviar a Escuadra (salvo dois destruidores que ficam a cargo do bloqueio do Estreito) à frente Norte, conseguindo assim ajudar às operações terrestres e atrasar o avanço dos sublevados, ao lhes impedir avançar pela costa. Mas este alívio no frente norte é fatal para a República, já que os cruzeiros Canárias e Cervera vão ao Estreito, e o 29 de setembro de 1936 afundam um dos destruidores (o Almirante Ferrándiz) da classe Churruca após inutilizar uma das calderas com um tiro quase impossível (a terça salva a 20 km) e fazem fugir ao outro, o Gravina, que se refugia em Casablanca, deixando livre o passo ao Exército da África.

A Campanha do Cantábrico

Em setembro, a República decide enviar ao Cantábrico ao Acorazado Jaime I, dois cruzeiros, seis destruidores e cinco submarinos, deixando no Estreito só dois destruidores e um submarino.
O 24 de setembro, a Escuadra republicana chega ao Cantábrico e paralisa ou atrasa as operações em terra dos sublevados. Impede as operações em Guipúzcoa e atrasa o avanço das colunas galegas para Oviedo, obrigando-lhes a ir pelo interior.
Seu superioridad é absoluta, e durante a estadia da frota republicana no Cantábrico, não há actividade no mesmo da marinha rebelde. Mas este triunfo relativo permite, ao ter abandonado o bloqueio do Estreito de Gibraltar, o passo do grosso das tropas da África à península.
O 13 de outubro de 1936, o grosso da escuadra republicana volta ao Mediterráneo.
As acções navais no bando nacional o resto do ano 1936 limitam-se às protagonizadas pelo Espanha, o Velasco, os bous e alguns mercantes armados pelo bando nacional, dedicando ao bloqueio, a minar os portos republicanos e ao bombardeio de costa. A República só tinha deixado no Cantábrico ao destruidor José Luis Díez (conhecido em Bilbao por «Pepe o do porto», pelo pouco que saía a navegar) e os submarinos C-2 e C-5.

O Governo basco, nacionalistas aliados ao bando republicano, cria a Marinha de Guerra Auxiliar de Euzkadi,[22] ao comando de Joaquín Eguía, com alguns bous armados (quatro bacaladeros com canhões de 101,6 mm), nove bous em missão de dragaminas e até 24 pesqueiros pequenos mais como dragaminas costeros ou de porto. Estas unidades do Governo nacionalista basco, a diferença das unidades aliadas republicanas, demonstram um alto grau de preparação e espírito combativo, interceptando mercantes alemães com cargamento para os franquistas e chegando a enfrentar-se ao Velasco o 15 de novembro de 1936.

Fecha-se no ano com o desaparecimento do submarino C5.

No ano 1937, a missão da frota rebelde é apoiar as operações de terra encaminhadas a terminar com a frente Norte, bloqueando e minando os portos do Cantábrico para evitar o abastecimento das forças republicanas e apoiar com fogo naval o avanço das tropas de terra. Intervieram com base principal em Ferrol , apoiando-se em Bilhetes, Bilbao e Santander, à medida que iam sendo conquistadas.

Participaram o Espanha, o Velasco, os minadores de classe Júpiter Vulcano e Júpiter, três mercantes armados e umas flotillas de bous. Esporadicamente incorporaram-se os cruzeiros Canárias e Almirante Cervera.
A República reforçou suas forças com o destruidor Císcar e os submarinos C-6 e C-4. Mas enfrenta-se com o problema de falta de comando único. Os nacionalistas bascos não aceitam que seus navios sejam mandados pela República. Isto, unido à baixa moral das dotações republicanas, faz que os nacionais tenham praticamente o domínio do mar.
As operações de bloqueio imposto se viram dificultadas pela Marinha britânica, que tinha nestas águas ao cruzeiro de batalha HMS Hood, os acorazados HMS Royal Oak e HMS Resolution, e vários cruzeiros e destruidores que protegiam aos mercantes britânicos até águas territoriais espanholas, com o que chegavam com facilidade (só ficavam três milhas) aos portos republicanos víveres e fornecimentos militares. Isto permitiu a resistência republicana ao avanço nacional, pese ao relativo domínio do mar.
O 5 de março de 1937, o Canárias chega ao Cantábrico e apresa ao mercante Galdames, à altura do cabo Machichaco. Para isso teve que se enfrentar aos bous nacionalistas bascos que, pese seu inferioridad manifesta, lhe fizeram frente com grande valor e arrojo, sendo afundado um deles (o Navarra) e avariados os outros dois.
O 30 de abril, em frente a Santander, o acorazado Espanha afunda-se depois de tocar com uma mina própria. A tripulação é resgatada pelo Velasco.
Ao finalizar a campanha do norte, a República tinha perdido ao destruidor Ciscar, afundado pela aviação no porto de Gijón, e ao submarino C-6. Os submarinos C-4 e C-2 refugiaram-se na França, desde onde voltaram a mãos republicanas em meados de 1938, e o José Luis Díez se refugiou na Inglaterra, depois na França e em agosto de 1938 tentou passar ao Mediterráneo camuflado como o destruidor inglês HMS Grenville (D19), sendo interceptado pelo Canárias. Refugiou-se em Gibraltar, e em dezembro de 1938, ao tentar unir à frota republicana, foi inutilizado pelo minador Vulcano.

Guerra naval no Mediterráneo
O cruzeiro Almirante Cervera

No Mediterráneo, a guerra naval centrou-se no bloqueio dos portos inimigos, a protecção de convoyes, o bombardeio de costa e o apoio a operações terrestres.

O 20 de julho de 1936, a Liberdade e vários destruidores bombardeiam Ceuta, e no dia 22 com o Cervantes, Algeciras e A Linha.
O 5 de agosto, os nacionais fazem passar um convoy com sucesso através do Estreito. No dia 7 de agosto de 1936, a Liberdade e o Jaime I bombardeiam Algeciras (onde afundaram ao cañonero Dado) e Cádiz.

Em agosto de 1936, a Generalidad de Cataluña e o Comité Central de Milícias Antifascistas tentam recuperar Mallorca enviando a um conglomerado de forças de milícias, ao comando do capitão de aviação Alberto Bayo, com o apoio de unidades de submarinos e da Escuadra republicana baseada em Tánger. A tentativa de tomada de Mallorca, mau organizado e pior dirigido, foi um rotundo falhanço, tendo que se retirar após a frustrada tentativa de desembarco na ilha pela costa este.

O 12 de dezembro de 1936, o Canárias afundou o vapor soviético Konsomol em frente a Orán, hundimiento que teve repercussão internacional e fez aos soviéticos mais reticentes a utilizar seus mercantes em apoio dos republicanos.
A frota franquista apoia o avanço sobre Málaga, com bombardeios na costa.
O 7 de setembro de 1937, o cruzeiro Baleares encontra-se com os cruzeiros republicanos Liberdade, Méndez Núñez e vários destruidores escoltando um convoy em frente ao cabo Cherchel. Entabla combate e, pese a sofrer avarias, obriga aos navios de guerra republicanos a retirar-se e aos mercantes do convoy a refugiar-se no porto de Cherchell .
O 23 de abril de 1938, a Liberdade, Jaime I, Méndez Núñez e alguns destruidores republicanos bombardearam Málaga. O 25 de abril de 1937, o Canárias e o Baleares acossam à escuadra republicana quando entra em Cartagena depois de bombardear Málaga. Depois de um curto intercâmbio de disparos, os cruzeiros nacionais afastam-se para evitar às baterías de costa (380 mm).
O 6 de março de 1938 é torpedeado e afundado o cruzeiro Baleares, depois de um encontro nocturno das duas escuadras na Batalha de Cabo Paus. As escuadras separam-se e os destruidores ingleses HMS Boreas e HMS Kempenfelt vão a ajudar ao salvamento dos náufragos. Resgatam a 435 homens e desaparecem 786. Durante o salvamento, aviões republicanos bombardeiam aos destruidores ingleses, causando-lhes baixas (um morto e quatro feridos no Boreas).
Em janeiro de 1938, o Canárias bombardeia Barcelona, e em fevereiro os cruzeiros nacionais bombardeiam diversos portos da costa republicana e escoltam vários convoyes.

O 7 de março de 1939 , produz-se o hundimiento por parte das defesas costeras de Cartagena, do navio mercante, utilizado como transporte de tropas Castillo de Olite, convirtiendose no hundimiento de um sozinho navio com mais vítimas mortais da história de Espanha: 1476 falecidos.

Participação estrangeira na guerra naval
O submarino republicano C-3.

Até fevereiro do 38, a marinha franquista teve um forte apoio da Armada Italiana, que participa com cruzeiros auxiliares e submarinos no bloqueio dos envios de armamento russo. O escândalo produzido ao afundar por erro um submarino italiano a um destruidor britânico, faz que os italianos deixem de participar directamente, cedendo quatro «submarinos legionarios» e vendendo quatro destruidores e dois submarinos a Franco.

Os alemães enviaram dois submarinos ao Mediterráneo na conhecida como Operação Úrsula, afundando o Ou-34 ao submarino republicano C3 em frente a Málaga.
Também contribuíram cruzeiros, mas estes não intervieram, salvo no bombardeio de Almería pelo Admiral Scheer o 31 de maio de 1937, efectuado em represália pelo ataque aéreo que tinha sofrido o 28 de maio de 1937 o acorazado de bolsillo Deutschland em Ibiza. Este ataque foi efectuado provavelmente por tripulações russas, sem conhecimento por parte do comando republicano. Mas o escândalo internacional que provocou fez que a República dissesse que era um erro e que se tratava de aviões republicanos que criam atacar ao Canárias. O bombardeio de Almería, que se tinha produzido abertamente (exibindo o pavilhão alemão), chegou a ser considerado como motivo para que a República declarasse a guerra a Alemanha (posição defendida pelo coronel Vermelho e Indalecio Prieto, em busca da generalização do conflito a toda a Europa), mas finalmente se impôs a postura contrária de Negrín e Azaña.[23]
A contribuição da URSS foi mínima. Contribuíram uns poucos comandos e especialistas aos submarinos e a algum navio de superfície.
França e Grã-Bretanha participaram com várias unidades para evitar o apresamiento de navios próprios pela frota nacional, sendo a participação francesa praticamente testimonial.

A guerra aérea

Soldados alemães rearmando um Heinkel Tenho 111 E.

Durante a guerra civil espanhola utiliza-se em massa a aviação de combate, de forma que algumas de suas acções chegam a ser metas na história da aviação militar.

Os meios aéreos no Estreito de Gibraltar
A campanha de Extremadura

Com os aviões que a República comprou a França, André Malraux forma a Escuadrilla Espanha e passa a actuar em Extremadura Ao princípio obtém sucessos relativos, atrasando às tropas nacionalistas em seu avanço para unir as duas zonas sublevadas. Em meados de agosto de 1936, ao receber no bando nacional as caças italianos Fiat, estes começam a apoiar o avanço em Extremadura, proporcionando às tropas sublevadas o domínio do ar e impedindo a actuação da aviação republicana.

A guerra aérea na batalha de Madri

O 20 de novembro de 1936 dá-se por terminada a primeira ofensiva sobre Madri, ainda que continuam os bombardeios aéreos e artilheiros sobre a capital.

A campanha do Norte
Batalha de Brunete
A guerra aérea em Andaluzia
A guerra aérea no Mediterráneo
Bombardeios sobre populações fora das campanhas terrestres

Campanha nas frentes

Guerra no País Basco

Guerra em Cantabria

Guerra em Castilla e León

Guerra em Córdoba

Guerra em Aragón

Participação estrangeira

As principais potências democráticas da Europa, França (salvo um período inicial no que vendeu aviões e proporcionou pilotos à República) e Grã-Bretanha se mantiveram oficialmente neutras, mas dita neutralidade era enganosa, já que impuseram um embargo de armas e um bloqueio naval (pouco efectivo, já que os dois bandos receberam armamento e munições por via marítima) a Espanha , além de tentar desalentar à participação anti-fascista de seus cidadãos em apoio da causa republicana. Mas pese a estas tentativas, muitos franceses e ingleses (Malraux, Orwell, etc.) participaram individualmente como voluntários na luta. Dois temores alimentavam esta política: o triunfo da revolução em Espanha e uma confrontación total no âmbito europeu.

A neutralidade das democracias ocidentais teve sua justificativa oficial através de sua participação no denominado Comité de Não Intervenção, do qual faziam parte, além de França e Inglaterra, Itália, Alemanha, a URSS e outros países menores. Se a missão do comité era impedir o fornecimento de armas a qualquer dos dois bandos enfrentados, é fácil supor, vendo sua composição, que sua gestão necessariamente teria de ser um completo falhanço, como assim ocorreu.

Apesar de tudo, o facto verdadeiro é que enquanto os nacionais receberam armamento, equipa e efectivos das potências fascistas, a República só recebeu ajuda importante desde a longínqua URSS e, em muita menor medida, de México . As principais democracias ocidentais (Grã-Bretanha, França ou os Estados Unidos), não lhe prestaram ajuda, temerosas de seu carácter revolucionário e de um confronto aberto com Alemanha e Itália.

As potências democráticas, concentradas em sua política de apaciguamiento dos regimes fascistas, não olhavam com bons olhos a oposição frontal das esquerdas revolucionárias, nas que viam uma verdadeira ameaça de que se estendesse o mau exemplo soviético. Por isso, a República era vista por esses países como um regime inclinado a um comunismo ao que não tinham grande simpatia.

A Guerra Civil Espanhola foi uma guerra total na que ambos bandos se viraram com todos os recursos disponíveis e fizeram uso até do último homem. Por tanto, qualquer ajuda era pouca, sendo esta significativamente maior para o bando sublevado, o que resultaria decisivo em decorrência da guerra.

Alemanha

Ajudou a Franco enviando a Espanha a Legión Cóndor, e milhares de técnicos e assessores militares.
Aproveitou a guerra para provar seus novos modelos de armas e tácticas. Provaram-se as caças Messerschmitt Bf 109 Junkers Ju 87 A/B e os bombarderos Junkers Ju 52 e Heinkel Tenho 111.
Estreou em Espanha suas tácticas de bombardeio sobre cidades. Ainda que não foi o único, o mais famoso foi o bombardeio de Guernica representado por Picasso em seu quadro Guernica, exposto no pavilhão espanhol da Exposição Universal de Paris de 1937.
A Legión fez seu último desfile oficial em Espanha o 22 de maio de 1939, quatro dias depois 5.136 oficiais e soldados alemães saíram por barco para a Alemanha, levando-se com eles umas 700 toneladas de equipa e a maior parte dos aviões que ficavam. Desde sua chegada a Espanha em julho de 1936 tinham reivindicado a destruição de 386 aviões inimigos (313 deles em combate aéreo), com a perda de 232 dos seus (dos quais só 72 foram destruídos pela acção inimiga). Ademais, os aviões da Legión Cóndor tinham lançado umas 21.000 toneladas de bombas, contribuindo em não escassa medida à vitória final dos nacionais. 226 membros da Legión perderam a vida em Espanha.

Itália

Enviou a Espanha ao Corpo Truppe Volontarie e a Aviação Legionaria.
Ajudou ao bloqueio do armamento enviado desde a URSS a Espanha com acções pontuas de sua própria Armada.
Contribuiu quatro «submarinos legionarios» à frota de Franco e vendeu-lhe quatro destruidores e dois submarinos. A ajuda italiana foi, em palavras de R. Serrano Suñer, a ajuda mais «grande, delicada e desinteresada», pois é de mencionar que Itália tinha em Espanha três divisões completas e que, enquanto Alemanha cobrava imediatamente a ajuda material, Itália oferecia a ajuda praticamente gratuita. Ademais, Itália colaborou com cerca de 300 aviões à causa rebelde.[25]

URSS

O cargueiro russo Kursk desembarcando material militar para a República no porto de Alicante .
Artigo principal: O ouro de Moscovo

Provaram tácticas e comportamento em combate dos I-15 («Moscas») e I-16 («Chatos»), bem como tácticas de carroças e bombardeios a objectivos navais.[26] Contribuíram assessores militares, e inclusive oficiais de marinha para mandar alguns submarinos republicanos.[27] [28] [29] O 29 de outubro de 1936, 15 tanques russos T-26 tripulados por russos e mandados por Paul Armam (a Greiser), atacam à caballería franquista ensayando as tácticas de Blitzkrieg alemã tão admiradas na Rússia.[30] Em 1937 tinha 125 carroças de combate russos ao comando do general russo Rudolf.[31]

A maioria dos Chatos e todos as Moscas estavam pilotados por pilotos russos.[31]

Em 1937, dois aviões pilotados por russos bombardeiam ao acorazado alemão Deustchland em águas de Ibiza , matando a 22 marinheiros e ferindo a 75, dos que mais tarde morreriam 9.[32]

A União Soviética vendeu à República uma quantidade indeterminada de armas, veículos e material. Alguns autores falam de 680 aviões, 331 carroças de combate, 1.699 peças de artilharia, 60 carros blindados, 450.000 fuzis Mosin Nagant, 20.486 ametralladoras e fuzis ametralladores DPM e 30.000 toneladas de munição.[33] A República supostamente pagou estes e outros envios com as reservas de ouro do Banco de Espanha. Há que ter em conta que, então, Espanha possuía a quarta reserva de ouro maior do mundo, com um valor aproximado de 783 milhões de dólares, dos que se pagaram à URSS uns 500 milhões de dólares.[34] Alguns têm condenado, possivelmente com razão, à URSS de abusar da precária situação republicana para lhes vender armas a preços excessivos, chegando alguns (Gerald Howson) a falar de uma verdadeira fraude. Os soviéticos também enviaram muitos assessores militares, os quais participaram activamente, inclusive nos combates.[35] Tanto o bando nacional como os próprios republicanos criticaram a saída de reservas de ouro, realizada em segredo, sustentando que tinha sido um expolio, e se acuñó a expressão «Oro de Moscovo», alegando que era uma espécie de conta do Governo republicano, depositada em Moscovo e não um pagamento pelo material bélico adquirido.

COMINTERN

O Comintern organizou e dirigiu através do NKVD uma tropa de voluntários para que fossem lutar em favor da República, as popularmente conhecidas como Brigadas Internacionais. Os voluntários americanos formaram o Batalhão Lincoln e os canadianos o Batalhão Mackenzie-Papineau (os Mac-Paps). Também teve um pequeno grupo de pilotos estadounidenses que formaram o Escuadrón Yankee, liderado por Bert Deita. Teve brigadistas famosos, escritores e poetas como Ralph Fox, Ernest Hemingway, Charles Donelly, John Cornford e Christopher Caudwell que descreveriam suas experiências na frente. Lutaram ao redor de 40.000 brigadistas e outros 20.000 serviram em unidades médicas ou auxiliares. O 23 de setembro de 1938 ordenou-se sua retirada total, com o fim de modificar a posição de não-intervenção mantida pelo Reino Unido e França.

Outros países

A repressão em retaguarda

Durante os primeiros dias, umas 50.000 pessoas que ficaram atrapadas no bando contrário foram executadas mediante os chamados passeios. Estes eram realizados por grupos armados que iam procurar à gente a suas casas ou os cárceres onde se achavam presos e baixo o eufemismo de vamos dar um passeio os levavam a qualquer estrada ou às tapias do cemitério e os executavam.

Possivelmente o mais divulgado, pela personalidade do executado, de tais ajusticiamientos, entre os levados a cabo pelo bando nacionalista, seja o do poeta e dramaturgo Federico García Lorca no barranco de Víznar em Granada. Também adquiriu grande relevância o massacre de Badajoz, perpetrada pelas tropas sublevadas depois da tomada da cidade. Por parte do bando republicano pode-se citar o caso dos presos sacados dos cárceres de Madri (entre os que se encontrava o dramaturgo Pedro Muñoz Seca) e executados na localidade de Paracuellos .

No contexto da guerra foram muitos os que se aproveitaram para realizar tão macabros actos, às vezes por vingança sem relação com a própria contenda, e quando uma zona caía em mãos de um ou outro bando, não demoravam em chegar os passeios. Especialmente cruel para a população foi o caso das localidades que foram intermitentemente ocupadas por ambos bandos, com as consiguientes e repetidas execuções e vinganças.

Na zona baixo controle da República, os confrontos entre milícias e facções opostas também serviram de coartada a episódios de repressão sangrentos, como no caso dos levantamentos populares de Barcelona em maio de 1937 .

O militar Ramón Salgas Larrazábal estudou as cifras de vítimas que puderam morrer nestas retaguardas. Considerou, segundo seus estudos que todas as vítimas foram inscritas nos Registos Civis, fazendo um cálculo aproximado das mortes da Guerra. No Anexo:Mortalidade na Guerra Civil Espanhola, por inscrição em julgados, pode-se ver um resumem de suas conclusões. No entanto em estudos posteriores, e por exemplo, em Navarra que o considerava lugar testemunha, se pôde comprovar que as vítimas da repressão eram muito superiores às cifras que ele tinha calculado.

Consequências

Desfile do exército sublevado em 1937 na localidade extremeña de Guareña .

O número de mortos na Guerra Civil espanhola só pode ser estimado de maneira aproximada. Força-las nacionalistas puseram a cifra de 500.000, incluindo não só aos mortos em combate, senão também às vítimas de bombardeios, execuções e assassinatos. Estimativas recentes dão assim mesmo a cifra de 500.000 ou menos. Isto não inclui a todos aqueles que morreram de malnutrición, fome e doenças engendradas pela guerra. A cifra de 1.000.000, às vezes citada, procede de uma novela de Gironella, que a justifica entre os 500.000 reconhecidos e outros tantos cuja vida resultou irremediavelmente destroçada. O exílio forçado de muitos represaliados dantes, durante e após a guerra é difícil de quantificar. Segundo sua situação geográfica e suas preferências políticas optou-se entre sair por mar, cruzando o oceano para passar a países sudamericanos em sua maioria ou o mar os mais pudientes para ir a Inglaterra ou França. Ou por terra cruzando os Pirineos ao lado galo.País este último que muitos elegeram por sua cercania com Espanha e sua crença de boa acolhida. Demonstrando-se seu erro com factos como os campos de concentração de Bram .

As repercussões políticas e emocionais da guerra trascendieron do que é um conflito nacional, já que, por muitos outros países, a Guerra Civil espanhola foi vista como parte de um conflito internacional que se livrava entre a religião e o ateísmo, a revolução e o fascismo. Para a URSS, Alemanha e Itália, Espanha foi terreno de prova de novos métodos de guerra aérea e de carroças de combate. Para Grã-Bretanha e França, o conflito representou uma nova ameaça ao equilíbrio internacional que tratavam dificultosamente de preservar, o qual se derrubou em 1939 (poucos meses após o fim da guerra espanhola) com a Segunda Guerra Mundial. O pacto da Alemanha com a União Soviética supôs o fim do interesse desta em manter sua pressão revolucionária no sul da Europa.

Quanto à política exterior, a GCE supôs o isolamento de Espanha e a retirada de embaixadores de quase todo mundo. Só uns poucos países mantiveram relações diplomáticas com Espanha desde o final da II Guerra Mundial até o início da Guerra Fria. A partir dos anos 50, as relações internacionais espanholas, com o apoio de EE.UU, passam a ser quase normais, salvo com os países do Bloco Soviético.

Direcção Geral de Regiões Devastadas

Durante a Guerra Civil Espanhola de 1936 a 1939, muitos povos e cidades, ao longo da geografia espanhola, foram total ou parcialmente destruídos. Uma vez finalizada a guerra, constituiu-se a Direcção Geral de Regiões Devastadas que assumiu a função dos reconstruir.

Entre muitas populações devastadas, encontraram-se as seguintes:

As bandeiras da guerra

Bando Republicano

Bandeira oficial da República

Flag of Spain 1931 1939.svg

Ao suprimir-se todos os regimientos do Exército, se deixou temporariamente de utilizar, sendo substituída pelas das diferentes milícias, que adoptaram bandeiras vermelhas ou rojinegras, em muitos casos com emblemas partidários, como a fouce e o martelo, um punho fechado, ou o escudo de algum sindicato.

A primeiros de outubro de 1936 cria-se o Exército Popular Republicano, dispondo-se que se volte a usar a tricolor.[38]

Bandeiras de unidades

Bando Nacional

Bandeiras oficiais

Bandeiras de unidades

A guerra civil na arte

O tema da Guerra Civil é o de maior produção literária de toda a historiografía espanhola,[42] bem como o mais polémico e gerador de debate social e político (se veja memória histórica). Ainda que há um acordo quase unânime nas datas, os denominados revisionistas próximos ao franquismo, propõem a revolução de 1934 como início da guerra. A própria declaração do estado de guerra foi divergente em ambos bandos: o governo republicano não declarou o estado de guerra até quase seu final (para manter o controle civil de todas as instituições), enquanto o governo de Franco não levantou a declaração até vários anos após terminada (para garantir seu controle militar).

Cinema

Veja-se Categoria:Filmes sobre a Guerra Civil Espanhola[43]

Realizadas durante a própria guerra, ainda que também teve filmes de ficção (a republicanas Aurora de esperança -Antonio Sau, Barcelona, 1937-, Bairros baixos -Pedro Puche, Barcelona, 1937- e Nosso culpado -Fernando Mignoni, 1938- e cinco filmes nacionais de Benito Perojo e Florián Rei rodadas nos estudos alemães da UFA, de género folclórico -ambiente reconstruído na menina de teus olhos, Fernando Trueba, 1998-),[44] foram fundamentalmente de género documental:

Bando republicano:
Espanha 1936 (Luis Buñuel)
Serra de Teruel (A Esperança ou L'Espoir, de André Malraux, que também escreveu uma novela com esse mesmo título).
Terra de Espanha (Joris Ivens) produção estadounidense.
Bando nacional:
Noticiario Espanhol, 32 documentales (precedentes do )
Vivam os homens livres! (Edgar Neville, 1939)
Romancero marroquino (1938-39), sobre a intervenção de tropas marroquinas
Foram muito menos numerosas, devido à menor quantidade de produtoras (oito em frente a mais de cinquenta republicanas);[45] ainda que existem documentales portugueses (Ou caminho de Madri), italianos (Acima Spagna. Scene della guerra civile inSpagna ) e alemães (In Kampf Gegen dêem Weltfeind ou legión Cóndor).[46]

Durante o franquismo (até 1975):[47]

Frente de Madri (Edgar Neville, 1939), adaptação da novela homónima do mesmo autor[48]
Sem novidade no Alcázar (Augusto Genina, 1940) italoespañola
Raça (José Luis Sáenz de Heredia, 1941) com guião do próprio Franco
Vermelho e negro (filme) (Carlos Arévalo, 1942) censurada por seu crudeza, apesar de sua orientação falangista
O santuário não se rende (Arturo Ruiz Castillo, 1949)

Desde 1975:[49]

Ficção:
As longas férias do 36 (Jaime Caminho, 1975); do mesmo autor:
Dragon Rapide (filme), que utiliza como título o nome do avião no que Franco saiu de Canárias
O longo inverno
Os meninos da Rússia
Uma vita venduta (Aldo Florio, 1976)
As bicicletas são para o verão (filme) (Jaime Chávarri, 1984) adaptação da obra de Fernando Fernán Gómez
A vaquilla (Luis García Berlanga, 1985)
Réquiem por um camponês espanhol (filme) (Francesc Betriu, 1985) adaptação da novela de Sender
Ai, Carmela! (Carlos Saura, 1990)
Terra e liberdade (Ken Loach, 1995)
Libertarias (Vicente Aranda, 1996)
A hora dos valentes (Antonio Mercero, 1998)
A língua das borboletas (José Luis Sensata, 1999)
O espinazo do diabo (Guillermo do Touro, 2001)
Soldados de Salamina (filme) (David Trueba, 2003)
Documental:
A velha memória (Jaime Caminho, 1976)
Retablo da guerra civil espanhola (Basilio Martín Patino, 1980); o mesmo autor previamente tinha tratado a posguerra em Canções para após uma guerra, 1971) e a figura de Franco em Caudillo (filme) (1974).
A Guerra Civil Espanhola (Granada Televisão, 1983)
A honra das injurias (Carlos García Alix, 2007)[50]
O Cão Negro (Histórias da Guerra Civil espanhola) (Péter Forgács, 2005)[51]

Novela

Por quem dobram os sinos (Ernest Hemingway), se fez adaptação cinematográfica.
Frente de Madri (Edgar Neville)
Forja-a de um rebelde (Arturo Barea)
Réquiem por um camponês espanhol (Ramón J. Sender)
Contraataque (Ramón J. Sender)
A fiel infantería (Rafael García Serrano)
Praça do castelo (Rafael García Serrano)
Cimeiras de Extremadura (José Herrera)
Nevoeiro de cornos (José Herrera)
Corpo a terra (Ricardo Fernández da Reguera)
A retaguarda (Concha Espinha)
Asas invencibles (Concha Espinha)
Madri, de corte a checa (Agustín de Foxá)
Os cipreses crêem em Deus (José María Gironella)
Um milhão de mortos (José María Gironella)
Tem estallado a paz (José María Gironella)
O laberinto mágico (Max Aub), série de cinco novelas:
Campo fechado,
Campo de sangue,
Campo aberto,
Campo do moro,
Campo francês e
Campo dos almendros.
As últimas bandeiras (Ángel María de Lera)
Os que perdemos (Ángel María de Lera)
O macaco azul (Aquilino Duque)
Tanguy (Michel do Castillo)
Duelo no Paraíso (Juan Goytisolo)
A novela número 13 (Wenceslao Fernández Flórez)
Sanco Panco (Salvador de Madariaga)
Voltarás a Região (Juan Benet)
Herrumbrosas lanças (Juan Benet)
As irmãs coloradas (Francisco García Pavón)
A outra árvore de Guernica (Luis de Castresana)
Nos anos únicos (Carmen Díaz Garrido)
San Camilo, 1936 (Camilo José Zela)
Soldados de Salamina (Javier Cercas)
Tempo de cor (Carlos Fonseca)
Homenagem a Cataluña (George Orwell)
L'Espoir ou A Esperança, (André Malraux, que também dirigiu o filme homónima)
Os grandes cemitérios baixo a lua (Georges Bernanos)

[53]

Conto e relato

É inúmero o número de contos e relatos baseados na Guerra Civil espanhola. Trata-se, como diz o escritor Ignacio Martínez de Pisón, de relatos concebidos desde o compromisso explícito com um ou outro bando, e não está a mais recordar que os autores de alguns desses relatos colaboraram muito activamente em labores de propaganda: Arturo Barea e María Teresa León para a Espanha republicana; Edgar Neville para a nacional. Sem dúvida, no fragor da contenda foram muitos os escritores que se adaptaram à situação de emergência e alteraram seu sistema de prioridades: contribuir à vitória bélica, ainda que fora com algo tão modesto como uma narração ou um poema, estaria sempre acima de qualquer outra consideração"</ref> Uma das principais antologías de relatos que abordam diferentes perspectivas sobre a Guerra Civil espanhola é Partes de guerra (RBA, 2009) de Ignacio Martínez de Pisón (Zaragoza, 1960).

Sobre esta antología, diz o autor: “Quando reuni os 35 contos de 31 autores de diferentes gerações, diferentes lugares, que falam do campo e na cidade, desde a frente e na retaguarda, a ideia era que a antología abarcasse a guerra em sua totalidade; e que este livro de relatos chegasse a substituir a essa novela colectiva sobre a Guerra Civil que não se escreveu; e não sabemos se alguma vez escrever-se-á”.[54]

Ignacio Aldecoa,
Bernardo Atxaga,
Max Aub,
Francisco Ayala,
Arturo Barea,
Pere Calders,
Juan Campos Reina,
Manuel Chaves Nogales,
Miguel Delibes,
Jesús Fernández Santos,
Juan García Hortelano,
Francisco García Pavón,
Rafael García Serrano,
Xosé Luis Méndez Ferrín,
Ana María Matute,
Edgar Neville,
Lino Novás Calvo,
Ramiro Pinilla,
Fernando Quiñones,
Manuel Rivas,
Mercè Rodoreda,
Tomás Segovia,
Ramón J. Sender,
Manuel Talens,
Andrés Trapiello,
Juan Eduardo Zúñiga.

Teatro

Bando nacional:

Cruz e espada, "romance patriótico em cinco retablos" (José Gómez Sánchez-Reina, Granada, 1938)
A Madri: 682, "cenas de guerra e amor" (apresentado como guião para um filme, Juan Ignacio Luca de Tena)
Deles é o mundo (José María Pemán, Sevilla e Zaragoza, 1938)

Algumas obras teatrais eram radiadas, como Miaja defende a Villa e rende culto a Zorrilla (Joaquín Pérez Madrigal, por Rádio Nacional desde Salamanca).[55]

Bando republicano:

Velada em Benicarló (Manuel Azaña, não representado até 1980)
Noite de guerra no Museu do Prado (Rafael Alberti, 1956)
Rádio Sevilla (do mesmo autor, peça satírica breve representada durante a própria guerra)

Posteriores a 1975:

As bicicletas são para o verão (teatro) (Fernando Fernán Gómez)

Poesia

Bando nacional
Poema da Besta e o Ángel (José María Pemán, o juglar da Cruzada)
Bando republicano
Canções de guerra (Antonio Machado)
Vento do povo. Poesia na guerra (Miguel Hernández)
Espanha, aparta de mim este cálice (César Vallejo)
Espanha no coração: hino às glórias do povo na guerra (Pablo Neruda)

Revistas satíricas

Bando nacional
A ametralladora (pelos que posteriormente trabalharão na Codorniz)
Bando republicano
Bê negre, Papitu (ambas catalãs); desenhistas: Tísner, Kalders (em Diari de Barcelona), Puyol (em Frente Vermelho).[56]
A Traca (valenciana); desenhistas: Bluff (fuzilado após a guerra), Carnicero, Méndez Álvarez, Palmer
Nas trincheras chegaram a circular mais de 500 cabeceiras[57]

Historieta

Bando nacional
Setas
Pelayos (desenhista: Valentín Castany)
Setas e Pelayos (produto da fusão de ambas, paralela à fusão dos diferentes partidos em FET e das JONS)
Garotos (Jesús Blasco, Emilio Freixas, Alcaide, Tomás)
Bando republicano
Pioneiro Vermelho
Na democracia
Eloy ou Rio Manzanares de Antonio Hernández Palácios
36-39 Maus tempos de Carlos Giménez
As serpentes cegas (2008) de Felipe Hernández Cava e Segui
A arte de voar (2009) de Antonio Altarriba/Kim.

Pintura e escultura

A Exposição Internacional de Paris de 1937 alojó um Pavilhão de Espanha gerido pelo governo da República em que, entre outros depoimentos da guerra, se apresentou o Guernica de Pablo Picasso, a Fonte de Mercurio de Alexander Calder, A Montserrat de Julio González, O Camponês catalão em rebeldia de Joan Olhou ou O Povo Espanhol tem uma estrela de Alberto Sánchez.

Artes gráficas, cartelismo e revistas ilustradas

[58]

Bando nacional:
Vértice (revista)
Hierarquia (revista)
Ilustradores: Teodoro e Álvaro Delgado, José Caballero, J.J. Acha, J. Olasagasti e Carlos Sainz de Tejada.
Bando republicano
Hora de Espanha
Gracioso Azul
Fotomontador: Josep Renau.
Cartelista: Carles Fontseré.[59]
Grande difusón teve o selo de ajuda internacional Aidez l'Espagne, de Joan Olhou.

Fotografia

Robert Capa, autor, entre muitas outras, da polémica instantânea Morte do miliciano (identificado como Federico Borrell, mas que poderia ser outro dos mortos em Cerro Muriano o 5 de setembro de 1936), convertida em ícone do século XX.[60]
Agustí Centelles
Pelayo Mais, recopilador da série de 169 fotos Martírio da Arte e a destruição da Igreja na Espanha vermelha (80 delas de Toledo).[61]
Guglielmo Sandri, tenente do exército italiano, tomou 4000 fotografias, recuperadas em 1992.[62]

Videojuegos

Na indústria dos videojuegos só se podem encontrar por agora três exemplos:

1936, Espanha em lumes, um mod do jogo da II Guerra Mundial Medal of Honra
o jogo completo Sombras de Guerra
as duas partes do jogo Hearts of Iron, ainda que aprofunda-se mais no conflito espanhol na segunda parte.

No famoso simulador de voo IL-2 Sturmovik oferece-te pilotar aviões da guerra civil e podes jogar em batalhas como a do Ebro em missões não oficiais.

Veja-se também

Referências

  1. a b O número de perdas é debatible; as estimativas sugerem que entre 500,000 e um milhão de pessoas faleceram. Com os anos, os historiadores diminuíram estas cifras, e estudos modernos concluem que 500,000 mortes é a cifra mais acertada. Hugh Thomas, The Spanish Civil War (2001), pp. xviii & 899–901, inclusive.
  2. Auto do 16 de outubro de 2008, Julgado central de instrução nº 005, Audiência Nacional. Madri.
  3. Auto do 18 de novembro de 2008, Julgado central de instrução nº 005, Audiência Nacional. Madri.
  4. A página de Presidência diz de Longo Caballero: «Evoluiu para posições a cada vez mais esquerdistas, declarou-se partidário da ditadura do proletariado e de um frente operário».
  5. Segundo a Fundação Nin, a ditadura do proletariado estava no programa político do POUM.
  6. A guerra civil espanhola, Dir. Edward Malefakis, cap. 6.
  7. Como dizia o luchador e pensador anarquista Errico Malatesta: «Eu sou comunista, estou a favor do acordo e acho que com uma descentralización inteligente e um intercâmbio contínuo de informações poderiam chegar a se organizar os necessários intercâmbios de produtos e satisfazer as necessidades de todos sem recorrer ao símbolo moeda. Como todo bom comunista aspiro à abolição do dinheiro, e como todo bom revolucionário acho que será necessário desarmar à burguesía, desvalorizando todos os signos de riqueza que possam servir para viver sem trabalhar». A ideia é conseguir uma nova sociedade sem a exploração do homem pelo homem, substituindo o ódio por amor; a concorrência pela solidariedade; a busca exclusiva do próprio bem-estar pela cooperação fraternal para o bem-estar de todos; a opresión e a imposição pela liberdade; a mentira religiosa e pseudo-científica pela verdade.
  8. Thomas, Hugh, Op.cit.
  9. «A Igreja e a guerra civil», por Javier Tusell.
  10. Sobre a Guerra Civil, sua grande produção bibliográfica e suas pequenas lagoas de investigação, por Juan García Durán.
  11. A Igreja e a Guerra Civil Espanhola. A Igreja espanhola em crise. Acordem!. 8/3/1990. Watch Tower Bible and tract Society of Pennsylvania.
  12. O Sol, 14 de outubro de 1931: «Espanha tem deixado de ser católica. O problema político consiguiente é organizar o Estado em forma tal que fique adequado a esta fase nova e histórica do povo espanhol».
  13. História de Espanha. Bachillerato Matéria comum. Ed. Almadraba.
  14. a b Resposta obrigada: Carta aberta Ao Sr. D. José Antonio Aguirre pelo Emmo. Sr. Dr. D. Isidro Gomá Tomás Cardeal Arcebispo de Toledo. Gráficas Bescansa, Pamplona, 1937.
  15. Dois encíclicas e uma Pastoral colectiva faz 70 anos.
  16. a b Documento «Com imenso gozo». O Franquismo. Primeira parte, de Stanley G. Payne. Arlanza Edições.
  17. Navarra 1936: da esperança ao terror. VV.AA., Grupo Cultural Altaffaylla, Tafalla, 2003, ISBN 84-930957-9-6.
  18. Hugh Thomas, tomo I, pág. 230.
  19. Discurso de Benito Mussolini. Roma, Itália, 23 de fevereiro de 1941, tradução inglesa.
  20. A guerra civil espanhola, Dir. Edward Malefakis, cap. 4.
  21. História de Espanha. A Guerra Civil Espanhola, Ramón Puche Maciá.
  22. A Marinha de Guerra Auxiliar de Euskadi (1936–37).
  23. Jorge Martínez Reverte Guerra contra Hitler. Documentos inéditos provam que o coronel Vicente Vermelho, chefe do Estado Maior da República, propôs ao Governo de Negrín que provocasse uma guerra com a Alemanha nazista, O País, 18/10/2008; avanço de um livro que se vai titular A arte de matar, a publicar no ano 2009.
  24. Bombardeig do 31 de maig de 1938.
  25. O Mediterráneo, campo de batalha da Guerra Civil espanhola: a intervenção naval italiana. Uma primeira aproximação documental, por José Miguel Campo Encrespo (Departamento de História Contemporânea. UNED. de Madri).
  26. Hugh Thomas
  27. O C-6, comandado pelo russo Nikolai Yegipko.
  28. Submarino C-1. Em agosto de 1936 é nomeado comandante o oficial russo Burmistrov, que substituiu ao C.C. Lara.
  29. Para chefe da flotilla dos três submarinos, o C-2, o C-4 e o C-6, nomeou-se ao russo Burmistrov, passando o C-6 ao comando de seu compatriota Eguipko, que ainda que não tenho notícia de que chegasse a afundar nenhum barco, sim que, pelo menos, manteve a seu submarino em actividade até o último momento. Ambos atingiriam o almirantazgo na Marinha soviética, e Eguipko desempenharia nos anos setenta o posto de almirante-chefe da base de Leningrado.
  30. Thomas, tomo II, pág. 514.
  31. a b Thomas, tomo II, pág. 732.
  32. Thomas, tomo II, pág. 739.
  33. José Mª Manrique Lucas Molina Franco, As armas da Guerra Civil Espanhola, A esfera dos livros, ISBN 84-9734-475-8.
  34. Thomas, tomo I, pág. 483.
  35. Thomas.
  36. Noam Chomsky, Estados frustrados: o abuso de poder e o ataque à democracia, Barcelona, Edições B, 2007, p. 77.
  37. O ASILO DIPLOMÁTICO: UM CONDICIONANTE DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS DA REPÚBLICA DURANTE A GUERRA CIVIL Antonio Manuel Moral Roncal Universidade de Alcalá de Henares
  38. a b A Bandeira de Espanha
  39. Bandeiras das Brigadas Internacionais (1).
  40. Bandeiras das Brigadas Internacionais (2).
  41. Bandeiras de Terços Requetés na Guerra Civil Espanhola.
  42. A bibliografía sobre a guerra civil espanhola é gigantesca. Disse-se que supera amplamente à existente com respeito a qualquer outro grande conflito do século vinte, incluída a segunda guerra mundial, e é verdadeiro. (Carlos Artola: Reseña de "Espanha Traída"). Uma busca em Dialnet 5108 documentos. Uma busca em uma livraria especializada dá 571 livros comercializados a 2 de julho de 2009.
  43. http://www.ucm.es/info/multidoc/multidoc/revista/num9/cinema/guerra-civil/principal.html . Em algumas listas incluem-se filmes nas que a relação com a guerra civil é muito longínqua: http://www.uhu.es/cinema.educacion/cineyeducacion/literatura%201966-1985.htm
  44. J. M. Caparrós Lera A Guerra Civil espanhola no cinema, ABCD as Artes e as Letras, 15-VII-2006.
  45. Algumas chaves a respeito da produção de documentales durante a guerra civil
  46. franquista
  47. J. M. Caparrós (op. cit.) faz um cómputo de 45 filmes, 14 delas nos primeiros anos da posguerra.
  48. http://cinematecanacional.wordpress.com/2007/09/08/frente-de-madrid-1939-bn-91/ http://www.cervantesvirtual.com/portal/alece/pcuartonivel.jsp?vão=925&conten=ficha&ficha=pelicula&nomportal=alece
  49. Segundo o cómputo de J. M. Caparrós (op. cit.): Quanto à visão dos “perdedores”, na democracia tenho contabilizado 44 filmes sobre a Guerra Civil, quase tantas como em quarenta anos de ditadura. Assim, na Transição se produziram 15 títulos, na primeira época socialista outras 17 filmes, no período do Partido Popular chegaram a 11, e na presente etapa do PSOE por enquanto só há um filme de ficção: Íris, de Rosa Vergés.
  50. Rocío García Uma legendaria vingança contra a miséria. Carlos García Alix estreia A honra das injurias, um documental que se adentra no horror da guerra e do fanatismo através da figura de Felipe Sandoval, pistolero anarquista que se tirou a vida em julho de 1936 (sic, é 1939) em um centro de detenção, O País, 08/11/2008
  51. [1] Prêmio ao melhor documental no Festival de Cinema de Tribeca (Nova York). O filme, criada a partir das fitas caseiras que personagens como Joan Salvans e Alberto Noriega gravaram nessa época, oferece uma visão intimista e poética das circunstâncias que rodearam o conflito.
  52. Veja-se o ensaio de Maryse Bertrand de Muñoz, em AIH. Actas V (1974). As novelas recentes da guerra civil espanhola.em Centro Cervantes
  53. A guerra civil espanhola na novela: bibliografía comentada. Informação geral:
    • Autores: Maryse Bertrand de Muñoz
    • Editores: José Porrua Turanzas
    • Ano de publicação: 1982
    • País: Espanha
    • Idioma: Espanhol
    • ISBN: 84-7217-114-4
  54. [http://www.aviondepapel.tv/2009/02/ignacio-martinez-de-pison-reúne-uma-antologia-de relatos-que-suple-a-grande-novela-sobre-a-guerra-civil-espanola/ Relatos que suplen a grande novela sobre a Guerra Civil espanhola por David González Torres, em Avion de papel, 15/02/2009].
  55. José María Martínez Cachero Talía na Guerra Civil: sobre o Teatro da zona nacional em cervantesvirtual.
  56. Humorisme gràfic - història
  57. Mais notícias da AACE: As BANDAS DESENHADAS E A GUERRA CIVIL por J. M. Varona “Ché”
  58. Arte da Guerra Civil Espanhola
  59. Aproximação à arte espanhola 1936-39 - Manuel Garcia i Garcia
  60. Miguel Angel Villena Um documental desmonta o mito do miliciano de Robert Capa. "A sombra do iceberg" sustenta que o soldado morrido não é Federico Borrell, O País 16/12/2008
  61. Com elas, e com as procedentes do monográfico de 1938 da revista francesa L'Illustration se montou pelo Arzobispado de Toledo em 2008 a exposição Toledo, cidade mártir. 1936 http://www.alfayomega.es/revista/2008/586/06_aquiahora1.html
  62. Miguel Mora Espanha, vista por um fascista italiano. O tenente Sandri tomou 4.000 fotografias durante seu serviço na Guerra Civil - O material, resgatado do lixo, devolve a memória da contenda a Roma, O País 06/11/2008; Álbum de guerra do tenente Sandri (quatro fotografias na galería do mesmo artigo).

Bibliografía

Enlaces externos


Predecessor:
Segunda República
Períodos da História de Espanha
Guerra Civil Espanhola
Sucessor:
Ditadura de Francisco Franco

mwl:Guerra Cebil Spanhola

Obtido de http://ks312095.kimsufi.com../../../../articles/a/t/e/Ate%C3%ADsmo.html"