Visita Encydia-Wikilingue.com

Mar Mediterráneo

mar mediterráneo - Wikilingue - Encydia

Para outros usos, veja-se Mediterráneo (desambiguación).
Mar Mediterráneo
Oceano ou mar da IHO (n.º id.: 28)
Mapa do mar Mediterráneo e seus subdivisiones
Localização administrativa
País Bandera de Argelia Argélia
Flag of Morocco.svg Marrocos
Bandera de Túnez Tunísia
Flag of Libya.svg Líbia
Bandera de Egipto Egipto
Flag of Israel.svg Israel
Flag of Lebanon.svg Líbano
Bandera de Chipre Chipre
Flag of Turkey.svg Turquia
Flag of Greece.svg Grécia
Bandera de Italia Itália
Flag of Slovenia.svg Eslovénia
Bandera de Croacia Croácia
bosnio Bósnia Herzegóvina
Flag of Montenegro.svg Montenegro
Flag of Monaco.svg Mônaco
Bandera de Albania Albânia
Bandera de Francia França
Bandera de España Espanha
Flag of Gibraltar.svg Gibraltar
Bandera de Siria Síria
Flag of Palestine.svg Territórios palestinianos
Geografia
Continente Europa, África e Ásia
Archipiélago Ilhas Baleares, Córcega, Cerdeña, Sicília, Creta, Chipre, Ilhas gregas
Mares lindantes Oceano Atlántico, Mar Negro, Mar Vermelho
Rios drenados Rio Ebro, Rio Po, Nilo
Acidentes
 • Golfos e baías Mar Adriático, Mar de Alborán, Mar Tirreno, Mar Egeo
 • Cabos Cabo de Paus
 • Estreitos Estreito de Gibraltar
Superfície 2,51 x 106 km2
Largura máxima 1.600 km (máxima)
Profundidade média 1.370 m
Profundidade máx. 5.121 m (Fosa de Matapan Flag of Greece.svg Grécia)
Coordenadas 35°11′N 16°17′E / 35.183, 16.283Coordenadas: 35°11′N 16°17′E / 35.183, 16.283
Mapa
Mapa de Europa mostrando el mar Mediterráneo
Mapa da Europa mostrando o mar Mediterráneo

O Mediterráneo é um mar conectado com o Atlántico e rodeado pela região mediterránea, compreendida entre Europa meridional, Ásia ocidental e África setentrional. Pese a estar conectado com o Atlántico, alguns autores consideram-no um corpo de água independente. Com aproximadamente 2,5 milhões de km² e 3.860 km de longitude, é o mar interior maior do mundo.[1] Suas águas, que banham as três penínsulas do sul da Europa (Ibéria, Itálica, Balcánica) e uma da Ásia (Anatolia), comunicam com o oceano Atlántico (através do Estreito de Gibraltar), com o mar Negro (pelos estreitos do Bósforo e dos Dardanelos), e com o mar Vermelho (pelo canal de Suez).[2] É o mar com as taxas mais elevadas de hidrocarburos e contaminação do mundo.[3]

A etimología deste mar procede do latín Mar Medi Terraneum, cujo significado é mar no médio das terras". A maioria dos habitantes de sua costa têm usado uma denominação derivada da latina. Em idioma grego chama-se Mesogeios Thalassa (Μεσόγειος Θάλασσα) com o mesmo significado que o nome latino, em árabe se chama A o-Bahr a o-Mutawāsit البحر المتواسط ("mar intermediário"), e em turco Ak Deniz ("mar branco", por oposição ao mar Negro, pois os turcos chamam alvo" ao Sur e "negro" ao Norte). O nome turco também se utiliza às vezes em árabe: A o-Bahr a o-Abyad البحر الأبيض.[4] Para os egípcios era "o Grande Verde".

Conteúdo

Situação

Estreito de Gibraltar, porta ao Mediterráneo desde o Oceano Atlántico.

O mar Mediterráneo encontra-se localizado nas zonas temperada e subtropical. Está rodeado por terras continentais de ampla extensão, dotando-o de uma climatología própria caracterizada por verões cálidos e secos, invernos moderados e um período que concentra boa parte das chuvas durante a primavera.[5] A urbanización costera, típica nas zonas mediterráneas, acomoda a um bom número de habitantes permanentes, amém de verdadeiro número de população temporário, especialmente estival. As zonas mais setentrionais, muito industrializadas, contrastam com as mais meridionales, essencialmente agrícolas.[6]

O mar Mediterráneo possui uma extensão de 3,5 x 106 km2, o qual representa aproximadamente o 1% da superfície oceánica mundial, com uma profundidade média de 1,5 km. Sua zona mais profunda, em Matapan, possui 5.121 m baixo o nível do mar. Sua longitude costera é de 46.000 km, dos quais o 40% pertence a ilhas.[5]

Comunica com o Oceano Atlántico mediante o Estreito de Gibraltar, um passo de 12,8 km de longitude e uma profundidade de cerca de 300 m; pelo noroeste, contacta com o mar Negro mediante o Estreito de Dardanelos, o mar de Mármara e o estreito do Bósforo. No sudeste, contacta com o mar Vermelho devido à acção humana, que escavou o canal de Suez, canal que serve primeiramente a espécies tropicais do mar Vermelho e do Oceano Índico.[5]

Limites

O Mediterráneo visto desde a costa de Marselha .

Limitam com o Mediterráneo:

Cabo de San Antonio Javea.

Subdivisiones

O mar Mediterráneo está subdividido em pequenos mares, a cada um com sua própria designação (de oeste a este):

História

Talha de um pequeno velero encontrada na antiga Cartago, para o 200 a. C. Época de disputas pela hegemonía no Mediterráneo de cartagineses e romanos.
Artigo principal: Cuenca do Mediterráneo

O mar Mediterráneo tem sido um mar finque para a História. Fenicios e romanos têm navegado por ele junto aos gregos, quem ultrapassaram os limites do mesmo através do Estreito de Gibraltar faz uns 3000 anos aproximadamente. Estes navegantes só conheciam as correntes dos rios e supuseram que a extensão de água ao outro lado de Gibraltar era um enorme rio. Portanto, a palavra que significa rio no grego clássico era Okeano, e de ali prove a palavra oceano.[7]

Na Roma antiga chamou-se Mare Nostrum (Nosso mar) como todas suas orlas foram ocupadas por ela,[8] e no século XX Mussolini - querendo recrear o império romano - o chamou Mare Nostrum Italiano durante a segunda guerra mundial.

O mar originou uma série de lendas e mitos em torno dele, como a de Jasón e os argonautas.[7]

Natureza

A região mediterránea está caracterizada por um alto grau de endemismo que tem ocasionado que lha considere como um dos lugares de maior concentração de biodiversidade no âmbito mundial.[9] Dita particularidade explica-se de diversas formas: baixo impacto da última glaciación na zona, que produziu que actuasse como reserva; a presença de maciços montanhosos importantes (por exemplo, o Atlas, a cordillera do Taurus ao sul, as zonas de Gúdar, Javalambre, Levante…), que dota de diversidade estrutural ao bitopo; e também à longa história dos diversos usos da terra por parte da população local que tem criado e mantido uma ampla faixa de hábitats.[9]

Geologia

Mapa do primitivo mar Paratetis, sucessor do mar de Tetis, e que formou o Mediterráneo à medida que se fechou. O mapa corresponde ao Oligoceno.

O mar Mediterráneo formou-se a partir do primitivo mar de Tetis, de muita mais extensão que o Mediterráneo, e foi diminuindo à medida que a placa Africana se aproximava à Euroasiática.[10] Faz uns 60 milhões de anos, começos do Terciário, o mar de Tetis, antecessor do Mediterráneo, inundava grande parte do norte da África e Europa, que naquele tempo não era mais que um archipiélago de ilhas.[11]

Durante o Terciário, o mar de Tetis foi-se estreitando pelo este até que se formou uma grande cuenca marinha quase separada do oceano aberto. Esta cuenca abarcava em uma mesma massa de água ao Mediterráneo, ao mar Negro e ao mar Caspio. Mas por ocidente o Mare Nostrum seguia ligado a mar aberto através de superfícies hoje em dia emergidas do sul da Península Ibéria e o norte de Marrocos .[11]

Faz um 6 ou 5 milhões de anos, o Mediterráneo sofreu contínuas desecaciones devido a uma instável conexão com o oceano Atlántico. Este fenómeno teve uma forte repercussão sobre a salinidad da água marinha.[11]

Em um futuro (uns 5 milhões de anos) o Estreito de Gibraltar fechar-se-á e o Mediterráneo ficará reduzido a uns poucos lagos hipersalinos. Sabe-se pelos depósitos salinos do fundo do mar que isto já sucedeu faz uns poucos milhões de anos. Então a diferença de nível entre o Atlántico e o Mediterráneo provocou o rompimento do dique de rocha que se tinha formado no Estreito. O que tinha demorado centos de anos em se secar se encheu em 40 anos através de uma enorme cascata. Recentemente, outros estudos apontam a um processo de enchido bem mais curto, de uns 2 anos.[12]

Se o estreito de Gibraltar fechasse-se, o Mediterráneo secar-se-ia já que este é um mar no que se evapora mais água da que entra pelos rios, provocando uma salinidad mais elevada que no Atlántico, oceano do qual recebe a água que perde devido à evaporación. As temperaturas nos lugares próximos ao Mediterráneo são agradáveis, já que em verão sua costa são mais fresca e em inverno mantêm as temperaturas algo mais elevadas que no interior do continente.

Oceanografía

Correntes predominantes de junho

As propriedades do mar Mediterráneo são consequência de sua situação de mar quase interior. Assim, as marés são leves como resultado da estreita conexão com o Oceano Atlántico. O mediterráneo caracteriza-se por seu tom azulado, e é imediatamente reconhecido por esta cor particular, especialmente nas áreas próximas às ilhas Gregas e Croatas.

A evaporación excede em grandes quantidades às precipitações e as afluencias de rios para o Mediterráneo, um factor que é central para a circulação da água na cuenca.[13] A evaporación é especialmente alta na metade este da zona, causando que o nível da água desça e a salinidad se incremente para o este.[14] Este gradiente de pressão mantém uma baixa salinidad proveniente desde o Atlántico até a cuenca, o qual se entibia e se volta mais salgado à medida que viaja para o este e baixa na região de Levante , circulando depois para o oeste e se dirigindo até o Estreito de Gibraltar.[15] Desta maneira, a corrente marinha flui desde o este banhando a superfície do estreito e depois para o oeste pela parte baixa. Uma vez em mar aberto, esta "água intermediária" pode persistir por milhares de quilómetros afastada de sua fonte principal.[16]

Flora

Pinus pinaster, na ilha de Tasos , Grécia. Tem presença em todo o Mediterráneo, abundando em sua parte ocidental.

Desde um ponto de vista biogeográfico, os territórios com clima mediterráneo ocupam não só a cuenca do Mediterráneo, a Região Mediterránea propriamente dita, senão que inclui também à costa de Líbia e Egipto, que pertencem à Região Saharo-Arábiga. O clima mediterráneo se adentra para o Afeganistão, Cáucaso e centro da Ásia (onde Armenia e territórios de Taskent o possuem, Região Irano-Turaniana).[17]

A Região Mediterránea possui caracteristicamente um dosel arbóreo arborizado esclerófilo sempre verde, com espécies do género Quercus do subgénero Sclerophyllodrys, especialmente Q. ilex, a encina, ainda que também possui muita representação a carrasca, Q, rotundifolia. Em outros casos aparecem o alcornoque, Q. suber, dependente de maior homogeneidad no ŕegimen pluvial, e , no mediterráneo oriental, os vicariantes Q. trojana e Q. macrolepis. Quanto a vegetación arbustiva, abunda a coscoja (Q. coccifera). Dentro deste contexto ecológico de bosque de carrasca e encina, aparece uma rica flora arbustiva de madroños (Arbutus unedo), Viburnum tinus, Laurus nobilis, Pistacia lentiscus, Rhamnus alaternus, etc. Como lianas, Loira peregrina, Lonicera sp. pl, Smilax aspera e outras, dependendo da humidade do ecosistema. Nas áreas do sudeste peninsular aparecem espécies mais próximas à vegetación norteafricana, como Ziziphyus lotus, Periploca angustifolia ou Maitenus senegalensis. Quando o clima é mais mesofítico e a aridez do verão é menor, surgem estruturas arborizadas com predomino de robledales, formados por árvores marcescentes do género Quercus como Q. pyrenaica ou Q. faginea.[17]

Os pinos mediterráneos, geralmente associados às espécies Pinus halepensis e P. brutia, também compreendem a P. pinaster, em sustratos pobres em bases, e P. pinea, em arenosos. No andar supramediterráneo aparece P. nigra, sobre sustratos ricos em bases, e no oromediterráneo, P. sylvestris. O género Juniperus, de enebros e sabinares, possui também uma boa representação, com J. oxycedrus como espécie mais comum, conquanto também são frequentes J. macrocarpa, J. phoenicea e outros.

Fauna

Foca monge mediterránea, actualmente em estado crítico de extinção.

A diversidade faunística do meio mediterráneo é enorme, comparável à das plantas. Analisando a riqueza de espécies para alguns taxones, obtemos que: das 62 espécies de anfibios que há no Mediterráneo, 35 são endémicas, ao igual que as 111 das 179 espécies de reptiles; das 184 espécies de mamíferos registadas, o 25 % são endémicas e 52 espécies estão ameaçadas (sem contar os mamíferos marinhos); e que o 28 % das espécies marinhas achadas no Mediterráneo são endémicas.[9] Quanto às aves, o Mediterráneo é um mar de especial diversidade já que acha-se na rota migratoria de multidão de espécies. Estima-se que uns 2.000 milhões de aves migratorias de 150 espécies diferentes se detêm em suas humedales durante seu trajecto ou se estabelecem ali em algum período curto do ano.[9]

Ameaças

Principais cidades da cuenca mediterránea.

O Mediterráneo enfrenta-se a vários problemas derivados da mão do homem: a sobrepesca, as técnicas de pesca destructivas, o excesso de urbanismo na faixa litoral, a contaminação e o aquecimento global.[18] A sobrepesca actual é mais do duplo que faz 50 anos ainda que graças aos esforços tem baixado até a cifra actual de milhão e médio de toneladas ainda demasiado alta para o que este mar pode suportar. Este mar, por ser semicerrado, é muito sensível à contaminação que produz a má depuração de vertidos nos rios, o que significa uma grave ameaça. O turismo mediterráneo costuma ir a zonas insuficientemente preparadas para aguentá-lo e os vertidos não são tratados, ademais as obras erosionan a costa. Também este vai a zonas de riqueza ecológica destruindo o hábitat de espécies em perigo (como focas e tortugas).

Por outra parte a mudança climática afecta aumentando a salinidad do mar e sua temperatura. Segundo Vargas Yánez e colaboradores,[19] que têm analisado dados desde 1948, o aumento médio da temperatura superficial entre 1948 e 2005 do mar oscila entre 0,12 °C e 0,5 °C ao longo do litoral mediterráneo; em profundidades intermediárias (200 m a 600 m) a temperatura aumentou desde 1948 até 2000 entre 0,05 °C e 0,2 °C, e a salinidad incrementou-se entre 0,03 e 0,09. Nas capas profundas (1000 m a 2000 m) o aumento de temperatura oscilou entre 0,03 °C e 0,1 °C e o de salinidad entre 0,05 e 0,06. O aumento de temperatura das capas intermediárias e profundas pode parecer pequeno, mas há que ter em conta o alto calor específico do mar, pelo que incrementos pequenos de temperatura requerem que o mar absorva enormes quantidades de calor. O aumento de salinidad reflete a diminuição das precipitações no Mediterráneo, bem como a diminuição do contribua dos rios devido às obras hidráulicas levadas a cabo em seus cauces. Desde mediados dos 90, observou-se um arguido aumento do nível do mar dentre 2,5 mm/ano e 10 mm/ano, causado em parte pelo aumento da temperatura e em parte pelo incremento do volume de água produzido pelo deshielo dos casquetes polares;

Pradera de Posidonia oceánica.
Outras ameaças significativas são o desaparecimento das praderas submarinas de Posidonia , uma fanerógama marinha que fundamenta grande parte da diversidade biológica mediterránea e as plagas de medusas o que destrói o frágil ecosistema.

Conservação

A legislação européia em matéria de médio ambiente é prolija na definição, mediante a directora 92/43/CEE (directiva Hábitat) e sua ampliação com a directora 97/62/CEE, de medidas de protecção do médio ambiente e de espaços desenhados para tal fim, como são os lugares de interesse comunitário ou LICs ou as zonas especiais de conservação ou ZECs, além de mediante outras directivas como a de aves, a directora 79/409/CEE, que define os meios ZEPAs ou Zonas de Especial Protecção para Aves; ambos interrelacionados mediante a Rede Natura 2000.

Em matéria de convênios subscritos entre estados, estes carentes de obrigações legais quanto a cumprimento, afectam ao mar Mediterráneo de diferente forma: o convênio sobre a diversidade biológica do Rio de Janeiro; o convênio sobre o comércio de espécies ameaçadas de fauna e flora silvestres (CITES por suas siglas em inglês); o Convênio sobre a conservação da vida silvestre na Europa e dos hábitats naturais; o convênio sobre a conservação e as espécies migratorias da fauna silvestre; o convênio de Ramsar, sobre a conservação de humedales ; e o convênio para a protecção do Mar Mediterráneo (Convênio de Barcelona). Dentro deste último, Espanha assinou em 1995 o “Protocolo sobre Zonas Especialmente Protegidas e a Diversidade Biológica no Mediterráneo” e adoptou em um ano depois, em Montecarlo, seus anexos. Segundo este Protocolo a cada Parte Contratante deve estabelecer Zonas Especialmente Protegidas de Importância para o Mediterráneo (ZEPIM) nas zonas marinhas e costeras submetidas a sua soberania e jurisdição.[20]

A nível estatal e regional, existe numerosa legislação que determina as actuações a nível local; não obstante, o carácter normativo das directoras européias provoca uma verdadeira homogeneidad nesta, que supõe, em muitos casos, uma mera translação daquela.

No marco da gestão da diversidade marinha, alguns autores qualificam negativamente a situação jurídica do mar Mediterráneo:

(...) A situação jurídica do mar Mediterráneo, que se adivinha relativamente complexa, converte o

regime de conservação da biodiversidade marinha em uma normativa fragmentada e inadequada. Somente com o fomento de maiores esforços de coordenação, seria possível o desenvolvimento de um

regime jurídico integrado de conservação sostenible da biodiversidade marinha e pesqueira (...)
Claudiane Chevalier[21]

Dados de interesse

Cala de Turqueta, na ilha de Menorca (Espanha).

Veja-se também

Referências

  1. Instituto Lexicográfico Durvan (ed.). Nova Enciclopedia do Mundo, tomo 21, 1º ed edição, Bilbao, Espanha. ISBN 84-7677-156-8.
  2. Greenpeace Espanha. «Recuperemos o Mediterráneo. Valores» (em espanhol). Consultado o 1 de novembro de 2007.
  3. Greenpeace Espanha. «Recuperemos o Mediterráneo. Contaminação» (em espanhol). Consultado o 1 de novembro de 2007.
  4. Diário "O País" (1996). «O Mediterráneo segue esperando a Europa» (em espanhol). Consultado o 21 de fevereiro de 2008.
  5. a b c Saliot, Alain (2005). The Mediterranean Seja, Springer. ISBN 3-540-25018-2.
  6. Susana Manghi. «Espanha: o lado escuro de um boom» (em espanhol). Diário Clarín. Consultado o 9 de novembro de 2007.
  7. a b Thalassa-on-line. «O Mar Mediterráneo e seus antigos Mitos» (em espanhol). Consultado o 10 de fevereiro de 2008.
  8. (1991-1992) Encyclopaedia Britannica Publishers (ed.). Enciclopedia Hispânica, tomo 10, 1º ed edição, pp. 408 págs.. ISBN 0-85229-555-3.
  9. a b c d «União Mundial para a Natureza» (em espanhol). Consultado o 9 novembro de 2007.
  10. União Mundial para a Natureza. Centro de Cooperação do Mediterráneo. «Conservação e desenvolvimento sostenible do mar de Alborán: Contexto do mar de Alborán dentro do Mediterráneo.» (PDF). Consultado o 1 de novembro de 2007.
  11. a b c «A desecación do Mediterráneo». Consultado o 4 de novembro de 2007.
  12. Diário Público. «Uma grande riada criou o Mediterráneo em dois anos» (em espanhol). Consultado o 9 de dezembro de 2009.
  13. Pinet, Paul R. (1996). West Publishing Co (ed.). Invitation to Oceanography, 3ra edição edição, pp. 202 p..
  14. Pinet, pág. 206
  15. Pinet, pág. 206–7
  16. Pinet, pág. 207
  17. a b Izco, J. et a o. (2004). Botánica, McGraw-Hill Interamericana de Espanha, S.A.Ou. - Madri. ISBN 84-486-0609-4.
  18. Ameaças do mediterráneo Greenpeace. "Dados da secção ameaças".
  19. Manuel Vargas Yáñez, et a o. (2008). Mudança Climática no Mediterráneo espanhol, Instituto Espanhol de Oceanografía. ISBN 84-95877-39-2.
  20. «Zonas Especialmente Protegidas de Importância para o Mar Mediterráneo (ZEPIM)» (em espanhol). Consultado o 2 novembro de 2007.
  21. Chevalier, Claudiane (2005). União Internacional para a Conservação da Natureza e dos Recursos Naturais (ed.). Gobernanza do mar Mediterráneo: Estatus legal e prospectivas, Málaga. 2-8317-0862-1, 2005.

Enlaces externos

Obtido de http://ks312095.kimsufi.com../../../../articles/a/r/t/Encydia-Wikilingue%7EArt%C3%ADculos_solicitados_2358.html"