Visita Encydia-Wikilingue.com

Os Zetas

os zetas - Wikilingue - Encydia

Os Zetas
Operacional Fundado em 1999 por Arturo Guzmán Dezena, Jesús Enrique Rejón Águia, Jaime González Durán, Heriberto Lazcano Lazcano e Miguel Treviño Morais.
Liderado por Heriberto Lazcano Lazcano e Miguel Treviño Morais.
Regiões activas Tamaulipas, Coahuila, Sinaloa, Durango, Michoacán, Nayarit, Jalisco, Veracruz, Tabasco e Quintana Roo.
Acções criminosas Homicídio, sequestro, extorsión, narcotráfico, crime organizado, lavado de dinheiro, tráfico de armas, portación ilegal de armas de fogo.
Estatus Activo

Os Zetas é uma organização delictiva mexicana, cujo principal negócio é o narcotráfico. Formou-se a partir de um grupo de de militares que desertaram do Grupo Aeromóvil de Forças Especiais (GAFE), Grupo Anfibio de Forças Especiais (GANFE) e da Brigada de Fusileros Pára-quedistas (BFP) do Exército Mexicano, fundados em 1994 com motivo do levantamento zapatista de Chiapas e único grupo antigo de elite que foram treinados pela Agência Central de Inteligência dos Estados Unidos. Por tanto, receberam treinamento de elite que incluiu manejo de armas sofisticadas e trabalho de contrainsurgencia . De acordo com a Procuraduría Geral da República (PGR), ao menos 40 ex integrantes dos Gafes integraram-se às bichas dos Zetas.[1] Ademais, estão integrados nos Zetas um indeterminado número de antigos soldados das forças especiais de Guatemala . A princípios do mês de Março do 2010 confirma-se a separação de facto dos Zetas doCártel do Golfo.

Sua área de influência originaria era Tamaulipas mas mais tarde estenderam sua actividade a Novo León e Coahuila. Também se reportaram movimentos em Nayarit , Sonora e Sinaloa (Os Mochis).


Conteúdo

Origem do Nome

O nome do grupo dos Zetas dá-se após seu primeiro líder, a última letra do alfabeto o tenente Manuel Alejandro Ruiz, cujo Código Judicial da Federação rádio da polícia era "Z1", um código dado a oficiais de alta faixa. O código de rádio dos oficiais ao comando da Polícia Judicial Federal em México foi "E" e conhece-se-lhes como os Yankees, pela Polícia Judicial Federal a cargo de uma cidade, o código da rádio era a "Z", e assim se foram apodados como a carta em espanhol, "os Zetas. "[cita requerida]

História

Os Zetas, em seu tempo de militares se capacitaron na Escola das Américas cujo objecto aparente era treinar a melhore-los oficiais mexicanos para combater a contrainsurgencia e narcotráfico. Mas passado um tempo um número crescente deles passou de combater o narcotráfico a fazer parte de uma rede própria de narcotráfico que competia com outras organizações existentes.

A origem do grupo delinquente, remonta a Arturo Guzmán Dezena que se cadastrou no exército o 12 de maio de 1992 e desertou o 27 de setembro de 1997, tendo sido soldado de infantería por quase cinco anos, experiente em combate, treinado por militares e paramilitares israelitas. A sua baixa do exército leva-se com ele a alguns integrantes do 70° batalhão de Infantería, do 15° regimiento de caballería motorizada e dos fusileros pára-quedistas.

Em 1999 começa a trabalhar para Osiel Cárdenas Guillén recrutando a exmilitares para criar o braço armado do Cártel do Golfo; eventualmente começa a recrutar a integrantes em serviço activo do batalhão 15° de infantería, com quartel geral em Tamaulipas, os quais desertaram do exército e se integraram aos Zetas. Diz-se que deste batalhão saíram ao menos sete elementos do Grupo Aeromóvil de Forças Especiais (GAFE) 308. Arturo Guzmán Dezena morreu durante um confronto em novembro do 2002 em Matamoros (México).

Segundo fontes mexicanas e do governo dos Estados Unidos, os Zetas converteram-se em um problema para o Cártel do Golfo, pois à queda de Osiel Cárdenas Guillén, quem foi preso e extraditado aos EE. UU., os Zetas adquiriram sua autonomia. Segundo informação publicada em 2008, o grupo dos Zetas deixou de ser o braço armado do Cártel do Golfo para pactuar com os irmãos Beltrán Leyva e trair ao cártel de Sinaloa comandado por Ismael Zambada García ("O Maio") e Joaquín Guzmán Loera ("O Chapo"; ultimamente estes formaram uma aliança com Teodoro Eduardo García Simental "O Teo" para controlar a praça de Tijuana.[2] [3] [4]

Em outubro de 2008, o diário Washington Times reportou de uma advertência por parte do FBI de que Os Zetas se estão a preparar para confrontar de maneira violenta às forças policiacas estadounidenses que operam no estado de Texas .[5] O boletim informa que o líder da célula dos Zetas em Texas é Jaime González Durán, alias 'O Hummer', um dos membros fundadores dos Zetas, quem foi capturado o 8 de novembro do 2008 na cidade de Reynosa Tamaulipas.[6] Durante esta operação, o exército também assegurou um histórico arsenal ao apreender em uma casa de segurança dos Zetas mais de 400 armas de fogo, 500,000 cartuchos e 287 granadas.[7] [8]

A princípios do mês de Março, Os Zetas separaram-se do Cártel do Golfo.[9]

Estrutura

Informação obtida em agosto de 2008 mediante testemunhas protegidas, indica que Os Zetas têm como comandante em chefe a Heriberto Lazcano Lazcano, “O Lazca”,e/ou z-3 quem em ausência de Osiel Cárdenas Guillén, assumiu o controle do grupo junto com Hector Macias Tapia Alguns dos integrantes originais são:

[10] Arturo Guzmán Dezena, Emmanuel Vega Rogelio González Pizaña, Heriberto Lazcano, Jaime González Durán, Efraín Teodoro Torres, Rafael Martínez, Raúl Hernández Barrón, Óscar Guerreiro Silva, Luís Alberto Guerreiro Reis, Jesús Enrique Rejón Águia, Mateo Díaz López, Jorge López, Daniel Peréz Vermelhas, Sergio Enrique Ruiz Tlapanco, Nabor Vargas García, Ernesto Zatarín Beliz, Eduardo Estrada González, Flavio Méndez Santiago, Prisciliano Ibarra Yepis, Rogelio Guerra Ramírez, Iordan Mendieta, Miguel Ángel Soto Parra, Galindo Mellado Cruz, Gonzalo Ceresano Escribano, Daniel Enrique Márquez Aguilar , Germán Torres Jiménez e Eber Salazar , Troya Chaparro Ivan, José Medina Cruzado, Jorge Rufasto Baleia, Ever Peralta Segura, Carlos Alcantara, Eric Gonzales.

Os níveis e hierarquias dos Zetas, inspiradas na disciplina militar, portam nomes que determinam sua faixa e deveres.[2] De menor a maior faixa são:

É o nível mais baixo e são os 'olhos da cidade' ou vigilantes. Geralmente são jovens de baixos recursos os quais facinados pela vida fácil caem em mãos destes delinquentes.Não são de origem militar.
É o nível dos encarregados dos pontos de produtividade; armados com arma longa ou curta. Aproveitando seu falso poder delictivo aproveitam em molestar à cidadania inocente. Não são de origem militar.
Integrado pelos Kaibiles, ex militares guatemaltecos com treinamento especial em combate urbano, combate em selva e outros mais quem portam as melhores armas como são AK-47, G3, M-16, Barret, MP5, HKP7, granadas de fragmentação, chalecos antibalas e capacetes com vision nocturna e equipa de rádio comunicação de alta frequência e tecnologia de ponta. Aqui também há alguns desertores do corpo de elite da Secretaria da Defesa Nacional (SEDENA) como são do Grupo Aeromóvil de Forças Especiais (GAFES), pessoal da Brigada de Fusileros Pára-quedistas (BFP), Polícia Militar (PM), Guardas presidenciais, Grupos de infantería todos estes com treinamento especial bem como a obtenção de cursos obtidos dentro de seu respectivo campo militar.
Integrados por gente de confiança, mas por carecer de formação militar só podem ser comandantes do L ou Cobras, como é o caso do chamado O 40, Miguel Treviño, quem agora junto com O Lazca integrou o pacto para a aliança dos Zetas com os irmãos Beltrán Leyva; O Talibancillo ou Talibán 2, irmão do Talibán; ou bem O 42, quem é Omar Treviño, irmão do 40; O 02, quem é O Meme Flores e O Bebé.


Outro nível é o de Zetas Velhos, que são os originais e que em sua maioria foram ex Gafes, que formaram no final dos 90 e princípios do ano 2000 o grupo. Quem estão dentro dessa categoria são O comandante Mateo, O Mamito, O Hummer, O Rex, O Caprice, O Tatanka, O Lucky, O Paguita, O Cholo, O Ostos, O JC, O Cachetes, O Pita, O Bedur, O Cuije, A Chispa, O Esmague, O Tizoc, O Tejón, O Magro, entre outros, e que chegaram a ser um grupo de quase 40 homens.

À margem desta estrutura, o irmão de Osiel Cárdenas, conhecido como Tony Tormenta, formou o grupo dos Escorpiones que está integrado por ex militares e civis, mas que devido ao pleito que teve Osiel com seu irmão, quando este último pretendeu tomar seu lugar dentro da organização, foram retirados em virtude de que Osiel cortou toda a comunicação com Tony Tormenta, ainda que o deixou trabalhar por seu lado sem se meter com ele.

Aparte dos anteriores níveis, na cada praça, o encarregado da mesma tem “informantes”, seu “contador” e seu “sicario”, este último é o responsável pela segurança pessoal do comandante. Pelo que faz ao nível de “informantes”, este normalmente é uma pessoa com conhecimento e relações no lugar, que não tem problema legal algum e que está disponível no momento que seja. Move-se principalmente na cidade e depende directamente do comandante da praça.

O contador encarrega-se de controlar os recursos económicos da organização no lugar que se trate, pelo que é o que paga os salários de todos, as nóminas dos servidores públicos que estão em contubernio com a organização e que recebem desta diversas quantidades de dinheiro. É também quem tem em seu poder os telefonemas “nóminas” onde fazem os nomes da cada servidor público envolvido. O principal contador da organização conhece-se como Comandante Sol, por ser dos primeiros zetas, e se encarrega de mover todo o dinheiro, e depende directamente do Lazca.

Os Zetas, segundo os documentos da PGR, movem-se em uma formação à que chamam A Estaca, a semelhança de uma escuadra do Exército. Compõe-se de um veículo tripulado por quatro ou cinco elementos, distribuídos hierarquicamente: o “comandante” que costuma ser um Zeta Velho ou um Cobra Velho, segundo se trate, Zetas ou um L, quem sempre é o condutor; como seu copiloto. Se trata-se de Zetas Velhos, vai um Zeta Novo ou Kaibil e na parte posterior duas ou três L ou Cobras mais.

Se trata-se de que o comandante seja um Cobra Velho, seu copiloto pode ser um Cobra ou um Zeta Novo e dois ou três L ou Cobras atrás.

O Ponto, é como se denomina às casas de segurança que a cada comandante tem por separado e que sempre são rendidas para que não possam ser unida a eles; este lugar sempre se encontra vigiada por um Halcón que costuma andar em um veículo que lhe proporciona a “organização” ou “a companhia”.

Seguem os lugares onde se vende a droga e que chamam lojas distribuídas na cada colónia ou também estão os “pontos de rua” que podem se localizar em parques, shoppings ou diversos cantos. Depois de que a organização surte às lojas que trabalham dois turnos, um de dia, das 8:00 da manhã às 12 da noite e, o turno de noite, que é de 12 da noite às 8:00 da manhã seguinte. Há encarregados de supervisionar a venda e recolher o dinheiro desta.

Existem diversas casas na cada praça onde se realiza a confección e empaque dos passes de cocaína e heroína para surtir às lojas, nesses lugares se efectua o pesaje, corte e empaque da droga. Aí, trabalham os maquiladores ou pesadores, que são os encarregados de pesar a droga e a envolver em papéis que lhes chamam pizas.[1]

Veja-se também

Referências

  1. Medellín, Jorge (28 de março de 2004). Desertam 1,382 militares de elite. O Universal. http://www2.eluniversal.com.mx/pls/impresso/notícia.html?vão nota=109186&tabela=nacion. Consultado o 23-09-2008. 
  2. a b Gómez, Francisco (Agosto 17 de 2008). Os ‘Zetas’ por dentro; treinam-nos em Coahuila. Vanguardia. http://www.vanguardia.com.mx/diário/notícia/segurança/nacional/os_zetas_por_dentro;_treinam-nos__em_coahuila/209970. Consultado o 18-08-2008. 
  3. Narcos estabelecem novo mapa de domínio (maio de 2008)]
  4. ‘Os Zetas’ saem-se de controle (janeiro de 2008)
  5. Carter, Sara A. (26 de outubro de 2008). «FBI warns of drug cartaz arming». The Washington Times. http://washingtontimes.com/news/2008/oct/26/fbi-warns-of-cartaz-arming/. Consultado o 03-11-2008. 
  6. Sanchez, Julian (Novembro 8, 2008). «Cai "O Hummer", um fundador de "Zetas"». O Universal. http://www.eluniversal.com.mx/nacion/163603.html/. Consultado o 08-10-2008. 
  7. Medellin, Jorge Alejandro (Novembro 8, 2008). «Asseguram histórico arsenal em Tamaulipas». O Universal. http://www.eluniversal.com.mx/nacion/163604.html/. Consultado o 08-10-2008. 
  8. «Histórico confisco de arsenal em Tamaulipas». No Milénio. 08/11/2008. http://www.milenio.com/node/110346. Consultado o 10-11-2008. 
  9. «Com mantas, se deslinda cártel do Golfo dos Zetas». A Jornada. Março 9, 2010. http://www.jornada.unam.mx/ultimas/2010/03/09/com-mantas-se-deslinda-cartaz-de o-golfo-de-os-zetas. Consultado o 09-03-2010. 
  10. Rodríguez Martínez, Marco A.. «O poder dos "zetas"» (em spanish). Monografias. Consultado o 23-08-2008.

Fernández, Jorge “Dos Maras aos Zetas” Random House ,México 2006 Consultado o 08-10-2008

Material Impresso

Enlaces externos

Obtido de http://ks312095.kimsufi.com../../../../articles/a/n/d/Andorra.html"