Visita Encydia-Wikilingue.com

Prata

prata - Wikilingue - Encydia

Para outros usos deste termo, veja-se Prata (desambiguación).
Prata
PaladioPrataCadmio
Cu
  Cubic, face-centered.png
 
47
Ag
 
               
               
                                   
                                   
                                                               
                                                               
Ag
Au
Tabela completaTabela estendida
Informação geral
Nome, símbolo, número Prata, Ag, 47
Série química Metal de transição
Grupo, período, bloco 11, 5, d
Densidade 10490 kg/m3
Dureza Mohs {{{dureza}}}
Aparência Plateado
Ag,47.jpg
N° CAS 7440-22-4
N° EINECS {{{EINECS}}}
Propriedades atómicas
Massa atómica 107,8683 ou
Rádio médio 160 pm
Rádio atómico (calc) 165 pm (Rádio de Bohr)
Rádio iónico {{{rádio_iónico}}}
Rádio covalente 153 pm
Rádio de vão der Waals 172 pm
Configuração electrónica [Kr]4d10 5s1
Elétrons por nível de energia 2, 8, 18, 18, 1
Estado(s) de oxidación 1 (anfótero)
Óxido {{{óxido}}}
Estrutura cristalina cúbica centrada nas caras
Propriedades físicas
Estado ordinário Sólido (__)
Ponto de fusão 1234,93 K
Ponto de ebullición 2435 K
Ponto de inflamabilidad {{{P_inflamabilidad}}} K
Entalpía de vaporización 250,58 kJ/mol
Entalpía de fusão 11,3 kJ/mol
Pressão de vapor 0,34 Pa a 1234 K
Temperatura crítica  K
Pressão crítica  Pa
Volume molar m3/mol
Velocidade do som 2600 m/s a 293.15 K (20 °C)
Vários
Electronegatividad (Pauling) 1,93
Calor específico 232 J/(K·kg)
Conductividad eléctrica 63 × 106 m-1 S/m
Conductividad térmica 429 W/(K·m)
1.ª Energia de ionización 731 kJ/mol
2.ª Energia de ionización 2070 kJ/mol
3.ª Energia de ionización 3361 kJ/mol
4.ª Energia de ionización {{{E_ionización4}}} kJ/mol
5.ª Energia de ionización {{{E_ionización5}}} kJ/mol
6.ª Energia de ionización {{{E_ionización6}}} kJ/mol
7.ª Energia de ionización {{{E_ionización7}}} kJ/mol
8.ª Energia de ionización {{{E_ionización8}}} kJ/mol
9.ª Energia de ionización {{{E_ionización9}}} kJ/mol
10.ª Energia de ionización {{{E_ionización10}}} kJ/mol
Isótopos mais estáveis
iso AN Período MD Ed PD
MeV
107Ag51,839%Estável com 60 neutrones
108AgSintético418 aε
TI
2,027
0,109
108Pd
 
109Ag48,161%Estável com 62 neutrones
Nota: unidades segundo o SE e em CNPT, salvo indicação contrária.

A prata é um elemento químico de número atómico 47 situado no grupo 1b da tabela periódica dos elementos. Seu símbolo é Ag (procede do latín: argentum, desde o Indo-Européia raiz * arg-para alvos" ou "brilhante" ). É um metal de transição branco, brilhante, macio, dúctil, maleável.

Encontra-se na natureza fazendo parte de diferentes minerales (geralmente em forma de sulfuro ) ou como prata livre. É muito escassa na natureza, da que representa uma parte em 10 milhões de corteza terrestre . A maior parte de sua produção obtém-se como subproducto do tratamento das minas de cobre , zinco, chumbo e ouro. A metalurgia a partir de suas minerales realiza-se fundamentalmente pela cianuración:

Ag2S + 4 KCN → K2S + 2 KAg(CN)2

Conteúdo

Etimología

Seu nome é uma evolução da palavra latina *platus (cf. chato). Esta significava originalmente "plano" e posteriormente "lâmina metálica". Na Península Ibéria o termo específico referência ao metal. Outros exemplos disto são o português prata.

O símbolo da prata prove do latín argentum e o grego ἄργυρος,[1] nomes do metal nesses idiomas (derivados de uma raiz indo-européia que significa 'brilhante').[2]

Em castelhano existe o termo argentino, de uso exclusivamente literário, mas é mais comum em italiano.

Propriedades gerais

A prata é um metal de acuñar muito dúctil e maleável, algo mais duro que o ouro, a prata apresenta um brilho alvo metálico susceptível ao pulimento. Mantém-se em água e ar, conquanto sua superfície se empaña em presença de ozónio, sulfuro de hidrógeno ou ar com azufre. Sua maleabilidade e ductilidad —só superadas pelo ouro— são tais, que é possível obter lâminas de 0,00025 mm[cita requerida] e com 1 g de metal fabricar um fio de 180 metros de longitude.

Tem a mais alta conductividad eléctrica e conductividad térmica de todos os metais, inclusive superior à do cobre —o condutor por excelencia— mas seu maior preço tem impedido que se utilize de forma em massa em aplicações eléctricas. A prata pura também apresenta a cor mais branca e o maior índice de reflexão (ainda que reflete mau a radiación ultravioleta) de todos os metais. Alguns sais de prata são fotosensibles (decompõem-se por acção da luz) e empregaram-se em fotografia.

Dissolve-se em ácidos oxidantes e pode apresentar os estados de oxidación +1, +2 e +3, sendo o mais comum o estado de oxidación +1.

O óxido e sulfato formado sobre a prata pode dissolver-se em ácido cítrico limpando-o e formando citrato de prata.

Aplicações

Da produção mundial de prata, aproximadamente o 70% usa-se com fins monetários, boa parte deste metal emprega-se em orfebrería , e menores quantidades na indústria fotográfica, química e eléctrica.

Alguns usos da prata descrevem-se a seguir:

História

A prata é um dos sete metais conhecidos desde a antigüedad. Menciona-se no livro do Génesis; e os montões de escoria achados na Ásia Menor e ilhas do mar Egeo, indicam que o metal começou a separar do chumbo ao menos quatro milénios dantes de nossa era.

Não resulta difícil imaginar o efeito que teve de produzir naqueles pobladores (que tinham talhado e polido a pedra, que encontraram e utilizaram o cobre e depois o estaño, chegando inclusive a alear ambos por médio do fogo para obter bronze) a descoberta de um metal raro e pouco frequente, de cor branco, brilho imperecível e insensible ao fogo que outros metais derretía. Tal assombro justificou a atribuição ao metal de singulares propriedades, das que os demais metais careciam, salvo o ouro claro está; pois ambos não eram senão presentes da natureza, formados um pelo influjo da Lua, e o outro pelo do Sol. Os demais, viles metais, estavam sujeitos às mudanças e transformações, que pelos rudimentarios médios então disponíveis poderiam se produzir; longe, bem longe, da perfección da prata e o ouro. Não é de estranhar que por isso surgisse a ideia da transmutación dos metais em uma vã tentativa de perfeccionar aqueles viles metais e dando lugar ao aparecimento das primeiras doutrinas da Alquimia. Particularmente adequado parecia para tal propósito o mercurio no que se observava o aspecto e cor da prata, a tal ponto que se lhe deu o nome de hydrargyrum (prata líquida) de onde prove seu símbolo químico (Hg).

A prata, como o resto dos metais, serviu para a elaboração de armas de guerra e depois se empregou na manufactura de utensilios e ornamentos de onde se estendeu ao comércio ao acuñarse as primeiras moedas de prata e chegando a constituir a base do sistema monetário de numerosos países. Em 1516 Juan Díaz de Solís descobriu em Sudamérica o mar Doce que posteriormente Sebastián Caboto denominou Rio da Prata, achando que ali abundava o precioso metal, e de onde tomará o nome a Argentina. Anos mais tarde, o achado de grandes reservas de prata no Novo Mundo em Zacatecas , México e Potosí em Bolívia e sua importação a Europa provocou um longo período de inflação que longe de se estancar em Espanha se difundiu por Europa; o fenómeno foi estudado por Earl Jefferson Hamilton que em 1934 publicou O tesouro americano e a revolução dos preços em Espanha, 1501-1650.

Símbolo usado por Dalton, un círculo con la letra S en su centro Símbolo químico empregado por Dalton para a prata.

Abundância e obtenção

A prata encontra-se nativa, combinada com azufre (argentita, Ag2S), arsénico, antimonio ou cloro (prata córnea, (AgCl). O metal obtém-se principalmente de minas de cobre , cobre níquel, ouro, chumbo e chumbo-cinc do Canadá, México, o Peru e os EE. UU.

Os principais países produtores de prata são México e Peru que representam por si sozinhos 1/3 da produção mundial de prata.[3] Há que fazer notar que conquanto Peru é o principal produtor de mineral de prata, México o é de prata refinada.[4]

Faixa Estado Produção em 2009
(mineral)
(em mill. oz/ano)
1 Peru 123,9
2 México 104,7
3 China 89,1
4 Austrália 52,6
5 Bolívia 42,6
6 Rússia 42,2
7 Chile 41,8
8 Estados Unidos 39,8
Fonte: Silver Institute 2009

Ligas e compostos

A prata se alea facilmente com quase todos os metais, excepto com o níquel que o faz com dificuldade e com o ferro e o cobalto com os que não se alea. Inclusive a temperatura ordinária forma amalgamas com mercurio.

O metal de liga por excelencia é o cobre que endurece a prata até conteúdos de 5% ainda que se utilizaram pratas com conteúdos maiores de cobre. As adições de cobre não alteram a cor da prata inclusive até conteúdos de 50%, ainda que neste caso a cor se conserva em uma capa superficial que ao desgastarse mostrará uma liga de cor rojizo, tanto mais acusado quanta maior seja a quantidade de cobre. Também se usaram ligas com cadmio em joyería já que este elemento lhe confere à liga uma ductilidad e maleabilidade adequados para o trabalho do metal.

Entre os compostos de importância industrial destacam:

  1. O fulminato é um potente explosivo.
  2. O nitrato e os haluros (bromuro, cloruro e yoduro) reagem à luz e usam-se em emulsiones fotográficas.
  3. O yoduro utilizou-se em provas realizadas com o propósito de provocar a chuva artificialmente.
  4. O óxido utiliza-se como eléctrodo positivo (ánodo) em pilhas botão.

Isótopos

A prata natural compõe-se de duas isótopos estáveis Ag-107 e Ag-109, sendo o primeiro ligeiramente mais abundante (51,839%) que o segundo. Caracterizaram-se vinte e oito radioisótopos dos quais os mais estáveis são a Ag-105, Ag-111 e Ag-112, com períodos de semidesintegración de 41,29 dias, 7,45 dias e 3,13 horas respectivamente. Os demais isótopos têm períodos de semidesintegración mais curtos que uma hora, e a maioria menores que três minutos. Identificaram-se numerosos estados metaestables entre os quais os mais estáveis são Agm-108 (418 anos), Agm-110 (249,79 dias) e Agm-107 (8,28 dias).

Os isótopos da prata têm pesos atómicos que variam entre as 93,943 uma da Ag-94 e as 123,929 uma da Ag-124. O modo de desintegração principal dos isótopos mais ligeiros que o estável mais abundante é a captura electrónica resultando isótopos de paladio , enquanto os isótopos mais pesados que o estável mais abundante se desintegran sobretudo mediante emissão beta dando lugar a isótopos de cadmio .

O isótopo Pd-107 se desintegra mediante emissão beta produzindo Ag-107 e com um período de semidesintegración de 6,5 milhões de anos. Os meteoritos férreos são os únicos objectos conhecidos com uma razão Pd/Ag suficientemente alta para produzir variações mensuráveis na abundância natural do isótopo Ag-107. A Ag-107 radiogenética descobriu-se no meteorito de Santa Clara (Califórnia) em 1978 .



Precauções

A prata não é tóxica mas a maioria de seus sais são venenosos e podem ser carcinógenas. Os compostos que contêm prata podem ser absorvidos pelo sistema circulatorio e se depositar em diversos tecidos provocando argiria, afección consistente na coloración grisácea de pele e mucosas que conquanto não é daninha, é antiestética.

O possível efeito sobre a saúde da prata é objecto de discussão. Desde Hipócrates conhece-se o efeito germicida da prata e comercializaram-se, e comercializam hoje em dia, diversos remédios para grande variedade de doenças ainda que nenhum estudo clínico tem demonstrado sua utilidade terapêutica como antibiótico.

Veja-se também

Referências externas

Referências bibliográficas

  1. Em castelhano costuma-se considerar que prove só do latín, mas cf. Lhes Poinçons de garantie internationaux pour l'argent, Tardy, pp. 6. OCLC 229906795. ISBN 2901622178.
  2. Ernout, A; A. Meillet (1939). Dictionnaire Étymologique da langue latine. Histoire dês mots, Paris: Librarie C. Klicksieck, pp. s.v.. OCLC 79138165.
  3. The Silver Institute. «A produccion de prata no mundo em 2009». Consultado o 21 junho 2010.
  4. México é líder na produção de prata refinada

Enlaces externos


O conteúdo deste artigo incorpora material de uma entrada da Enciclopedia Livre Universal, publicada em espanhol baixo a licença Creative Commons Compartilhar-Igual 3.0.
pnb:چاندی
Obtido de http://ks312095.kimsufi.com../../../../articles/c/ou/m/Comunicações_de_Andorra_46cf.html"